Rádio Observador

Espanha

A Catalunha ainda não é independente, mas já foi à Lua. Na mente de Víctor, pelo menos

O humor tem andado arredado da campanha eleitoral catalã, tal é a tensão entre Madrid e Barcelona. Mas há um jornalista, independentista, que quer amenizar os ânimos com imagens.

Víctor Colomer

Autor
  • João Pedro Pincha

Valdés, Jordi Alba, Piqué, Busquets, Xavi, Cesc Fàbregas, Cristian Tello (que joga no FC Porto) e outros festejam no meio do relvado a conquista de um título mundial de futebol. Com Pep Guardiola a treinar e Puyol como adjunto, é a primeira vez que a seleção consegue arrecadar um troféu desta importância. A primeira, sim, porque estes rapazes já não representam Espanha — agora jogam pela Catalunha.

Mas de que falamos nós, afinal? Esta imagem não passa do sonho de alguém que ambiciona ver uma Catalunha independente. E só se torna ainda mais agradável se a seleção catalã vencer a final contra Espanha. A região ainda não se separou do poder de Madrid, mas um homem já fantasiou com importantes momentos da História futura da Catalunha. Chama-se Víctor Colomer, é um jornalista com gosto por fotomontagens, acaba de editar um livro e falou ao Observador sobre as eleições regionais do próximo domingo, que prometem dar um grande impulso à causa separatista.

Germany players celebrate with their trophy after winning the 2014 World Cup final between Germany and Argentina at the Maracana stadium in Rio de Janeiro July 13, 2014. (Darren Staples/Reuters)

Os jogadores da Catalunha com a taça do Mundial 2018 (imagem original de Darren Staples/Reuters, manipulada por Víctor Colomer)

Há de tudo neste Llibre de les marevelles (adivinhou, é O Livro das Maravilhas). Há uma Última Ceia em que Jesus tem o típico pa amb tomàquet (pão com tomate) na mão, um avião da Catalunya Airlines, a cerimónia de entrada da Catalunha na NATO, a chegada do primeiro catalão à Lua, uma visita oficial do presidente da Generalitat a Barack Obama e um discurso na ONU. Víctor Colomer não se fez rogado.

“No princípio, a ideia era simplesmente imaginar aquelas situações novas pelas quais a Catalunha passaria” caso se tornasse um Estado autónomo, explica este jornalista ao Observador. Primeiro, Víctor fez fotomontagens para calendários — os Catalonia Dreamin’ — “mas depois, como aquilo se vendeu muito bem”, decidiu fazer um livro. O resultado, que está nas bancas das livrarias, mas também em várias plataformas online, é um volume de grande dimensão com 85 fotomontagens: as já referidas e outras brincadeiras catalãs a fotografias famosas.

“É tudo muito futurista, otimista”, admite Víctor, que assina há mais de trinta anos uma coluna de entrevistas diárias no jornal local da cidade-natal, Sabadell, a uns 20 quilómetros de Barcelona. Cristian Tello, jogador do FC Porto, é de lá e já foi um dos entrevistados. O jornalista assume que a escolha de editar o livro agora não é inocente, quando estamos a escassos dias das eleições regionais que deverão ser ganhas pelos independentistas do Juntos Pelo Sim com larga maioria. É então um ato político?, perguntamos. “Um ato político no sentido em que quer trazer menos crispação” à campanha atual.

Por estes dias, Espanha é um país em sobressalto. Multiplicam-se as acusações entre os responsáveis catalães e o governo de Madrid, sobe de tom a discussão política e avolumam-se as dúvidas sobre as reais condições da Catalunha para declarar a independência unilateralmente, como pretende o Juntos Pelo Sim. Estas imagens, com um claro pendor humorístico, servem para amenizar o ambiente.

Em Espanha estão todos chateados. Quando falam do tema, gritam. Aqui falam esperançosos e sonhadores. Estão todos contentes com a possibilidade de fazer um país novo”, diz.

Víctor Colomer compara a atual situação a uma disputa conjugal. A mulher quer separar-se, pedir o divórcio e começar uma vida nova, mas o marido não deixa e ameaça mesmo matá-la caso ela saia de casa. “Assim é a atitude de Espanha: cada dia há uma ameaça diferente”. Já se percebe assim que Víctor não esconde que quer ver a Catalunha separada de Espanha. Aliás, nem o título do livro é inocente. El Llibre de les Meravelles foi uma das primeiras obras escritas em catalão, no final do século XIII, pelo escritor Ramon Llull.

Quando penso numa Catalunha independente, fico com pele de galinha. Eu não voto pela independência por razões económicas, é um voto puramente emocional”, conta.

Apesar da vontade que tem em se separar de Espanha — “temos muita inveja dos portugueses!” –, Víctor Colomer diz-se um “independentista crítico”. Quer isto dizer que tem medo. “Quando o inimigo não for Madrid, tenho medo de que o inimigo se possam tornar os imigrantes e os europeus”, afirma, receoso de que “apareçam partidos xenófobos”.

Então e essa história de o Barcelona ter de sair da Liga Espanhola se a Catalunha se tornar independente, como se resolve? Facilmente, diz: criava-se uma liga ibérica, com clubes de Portugal, Espanha e Catalunha. Uma ideia semelhante já teve o presidente da Liga, Pedro Proença. “Já imaginaste um Barcelona – FC Porto?”, ri-se.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)