Uma vitória esmagadora. Se as eleições presidenciais fossem hoje e se decidir ser candidato, Marcelo Rebelo de Sousa venceria, muito provavelmente, a primeira volta com 49,3% dos votos.

No sábado, o Observador traçou vários cenários para tentar perceber qual dos presidenciáveis sairia a ganhar com uma vitória da coligação. E os números da sondagem da Intercampus para a TVI e para o Público parecem reforçar a tese de que Marcelo é, por esta altura, o nome mais forte para substituir Cavaco Silva em Belém.

O antigo líder social-democrata teria, segundo esta sondagem, mais de 30 pontos percentuais para a segunda candidata mais votada, Maria de Belém, que se fica pelos 17% nas intenções de voto. Destaque também para as tendências de voto em Rui Rio – que, tal como Marcelo, ainda não disse se avançava ou não para a corrida presidencial. O ex-presidente da Câmara do Porto tem 15,1% nas intenções de voto, menos 15 pontos que Marcelo e apenas mais 5 pontos que António Sampaio da Nóvoa, o quarto nas intenções de voto, com 10,1%. Nesta lista, Henrique Neto é o menos votado, com 1,4%.

Olhando ainda para outros números: 24,5% dos inquiridos disseram estar indecisos; 1,1% dos entrevistados preferiram votar noutro candidato e 5,9% responderam que votariam em branco ou nulo.

Sem a distribuição dos indecisos, Marcelo Rebelo de Sousa tem 37,2% das intenções de voto e Maria de Belém, o segundo nome mais forte, 12,8%. Rui Rio (11,4%) e Sampaio da Nóvoa  (7,7%) são terceiro e quarto, respetivamente. Henrique Neto é o último com 1,1% das intenções de voto.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O estudo da Intercampus foi feito entre 23 e 30 de setembro, utilizando a a técnica de simulação de voto em urna, num total de 1013 entrevistas, proporcionais a cada região. Tem uma margem de erro de 3,1% e um taxa de resposta de 60,2%.

*Artigo corrigido à 1h44