Rádio Observador

Costumes e Tradições

“Uma história da curiosidade” de Alberto Manguel apresentada esta terça-feira

204

O livro "Uma história da curiosidade", de Alberto Manguel, é apresentado pelo jornalista Carlos Vaz Marques, esta terça-feira na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Manuel Almeida/LUSA

O livro “Uma história da curiosidade”, de Alberto Manguel, é apresentado pelo jornalista Carlos Vaz Marques esta terça-feira ao final da tarde, com a presença do autor, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

A obra, traduzida por Rita Almeida Simões, é publicada com a chancela da Tinta-da-China, que, em 2013, editou, do autor argentino, o “Dicionário de lugares imaginários”.

A obra divide-se em 17 capítulos, cujos títulos são interrogações, nomeadamente “O que é a curiosidade?”, “O que queremos saber?”, “Como raciocinamos?”, “Como questionamos?”, “Quem sou eu?”, “O que fazemos aqui?” ou “O que é verdadeiro?”.

Em 2013, em declarações à Lusa, Manguel, de 67 anos, disse que estava a trabalhar “muito devagar” em “Uma história da curiosidade”, sobre a qual se interrogava constante.

Na introdução da obra o autor afirma isso mesmo – “Sou curioso acerca da curiosidade” – e argumenta que uma das primeiras palavras que se aprende em criança é “porquê?”

“Porque queremos saber mais acerca do mundo misterioso em que involuntariamente entramos, em parte porque queremos compreender como é que funcionam as coisas nesse mundo, e em parte porque sentimos uma necessidade ancestral de nos relacionarmos com os outros habitantes desse mundo, após os nossos primeiros balbucios e arrulhos, começamos a perguntar ‘porquê?'”, argumenta.

No texto, o autor refere as suas leituras de Michel de Montaigne (1533-1592), o filósofo quinhentista francês, de quem se afirma amigo desde a adolescência, para afirmar que “talvez toda a curiosidade possa ser resumida na famosa pergunta” deste autor, “Que sei eu?”, que aparece no segundo livro dos seus “Ensaios”.

Também na introdução, o autor crítica os sistemas de ensino, que “não fomentam o pensamento em si mesmo e o livre exercício da imaginação”.

“Interessados em pouco mais do que a eficácia material e o proveito financeiro, as nossas instituições educativas já não fomentam o pensamento em si mesmo e o livre exercício da imaginação”, afirma Manguel.

“As escolas e os colégios tornaram-se campos de treino para mão-de-obra qualificada, em vez de fóruns de questionamento e discussão, e as faculdades e universidades já não são viveiros para os indagadores a que Francis Bacon chamou, no século XVI, ‘mercadores de luz’. Ensinamo-nos a perguntar ‘quanto custa?’ e ‘quanto tempo demora?’, em vez de ‘porquê?'”, escreve Manguel.

Ensaísta, organizador de antologias literárias, tradutor, editor e romancista, Alberto Manguel, que vive num antigo priorado em França, multiplica a sua obra por diversos géneros, do conto ao ensaio e ao romance, abrindo caminhos através da literatura.

Na juventude, foi leitor do escritor argentino Jorge Luís Borges, quando o autor de “O jardim de caminhos que se bifurcam” perdeu a visão.

Nascido em Buenos Aires, filho de um diplomata, Manguel cresceu em Telavive, viveu em Toronto, onde adquiriu a cidadania canadiana, percorreu a Europa, antes de se fixar em França.

“Uma história da leitura”, “O amante extremamente minucioso”, “Por um novo elogio da loucura”, “Todos os homens são mentirosos”, “Uma biografia da Ilíada e da Odisseia de Homero” e “Dicionário de lugares imaginários” são algumas das obras do escritor.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)