Qual é a relação do Apicius com o foie gras?
É muito próxima, mas de uma forma que não tem nada a ver com a relação da maioria dos restaurantes com o foie gras.

Como assim?
Desde a abertura do restaurante, em julho de 2014, que uma das suas características tem sido destacar de alguma forma o dito produto, tornando-no, nas palavras dos chefs da casa, Francisco Magalhães e Joana Xardoné, “mais democrático”. Para tal, primeiro criaram uma secção da carta exclusivamente dedicada ao foie. Depois, pegaram num das criações mais bem-sucedidas dessa secção, o prego de bao (pão vietnamita) com foie gras (6€) e tornaram possível adicioná-lo a um dos três menus de degustação ao jantar. E agora, durante duas noites, decidiram elevar a coisa a outro nível.

LF_APICIUSESPACO-12 (1)

O Apicius vai acolher este jantar que junta foie gras e cerveja artesanal.
(foto: Luís Ferraz / Apicius)

Elevar a coisa? Explique lá isso melhor.
Para, como dizem, reforçar a “aposta pessoal” no foie gras e provar que conseguem “torná-lo mais divertido”, Francisco e Joana decidiram organizar, em parceria com a Cerveteca Lisboa, dois jantares especiais a 3 e 4 de dezembro cujo menu de degustação de cinco pratos tem como ingrediente-chave o foie gras e em que cada prato é harmonizado com uma cerveja artesanal diferente.

Interessante: o que é que se vai servir?
Como disse, são cinco pratos e a forma como o foie gras surge em cada um deles é diferente, tanto ao nível do protagonismo como da própria textura e apresentação. A saber:

  • Creme inglês de foie gras com cogumelos e chips de mandioca
  • Foie gras de escabeche com batata doce e coentros
  • Foie gras “au torchon” marinado em cerveja Urraca Vendaval para barrar em pão de cerveja preta Zé Arnaldo 
  • Prego de foie gras em pão ao vapor com pepino fermentado
  • Iogurte de foie gras com cevada e redução de Mean Sardine Zagaia
apiciusfoie

O segundo prato do menu: foie gras em escabeche com batata doce e coentros.
(foto: © Tiago Pais / Observador)

E as cervejas?
As cervejas foram escolhidas pela Cerveteca para provar, nas palavras de Rui Matias, o seu responsável, que “o food pairing com cerveja artesanal é uma coisa que pode funcionar”. São, pela mesma ordem, as seguintes:

  • Saison Dupont, uma cerveja belga feita numa quinta, com aromas frutados e notas florais, que ligam com os cogumelos do primeiro prato
  • Mikkeler Vestebro Wit, uma cerveja de estilo belga aromatizada com casca de laranja, sementes de coentros e sabor a malte torrado. É muito frutada e fresca, para harmonizar com o escabeche
  • Brewdog Jackhammer, cerveja escocesa, uma IPA (Indian Pale Ale) muito amarga, com notas de toranja
  • Rogue Chipotle Ale, uma Red Ale norte-americana com ligeiro travo picante e sabor a pimentos fumados
  • Rochefort 10, cerveja trapista belga, caramelizada, com 11º, feita por monges em conventos, sem fins lucrativos
cervejasartesanaisapiciuscerveteca

As cinco cervejas que vão a jogo. (foto: DR)

Devo confiar na escolha?
Claro. Não só a Cerveteca é o bar da cidade com maior oferta em termos de cervejas exclusivamente artesanais como foi o primeiro a apostar nesta tendência, numa altura em que para lá de meia dúzia de barbudos hipsters poucos sabiam a distinção entre uma Porter e uma IPA.

O quê? Jantar de foie gras com cerveja artesanal
Quando? Quinta e sexta-feira, 3 e 4 de dezembro ao jantar
Onde? Restaurante Apicius, Rua da Cruz dos Poiais, 89 (São Bento), Lisboa
Quanto? 50€ por pessoa, com as cervejas incluídas
Como reservar? 21 390 0652