Os sociais-democratas vão juntar-se a 5 de março para escolher o líder do partido. A data foi definida pela comissão política do partido e uma coisa, para já, é praticamente certa: Pedro Passos Coelho vai ser candidato. Resta saber se alguém vai desafiar a liderança do ex-primeiro-ministro.

A notícia começou por ser avançada pelo Diário de Notícias e, depois, pela agência Lusa. À saída da reunião do Conselho Nacional do PSD, Marco António Costa confirmou a data das eleições diretas sociais-democratas e a vontade de Pedro Passos Coelho de se recandidatar à liderança do partido.

O Congresso do PSD também já tem data marcada. O encontro vai durar três dias, terá lugar a 1, 2 e 3 de abril, em Espinho, e vai servir de consagração ao líder social-democrata.

Isto vem confirmar o que o Observador escrevia ainda em outubro. Já nessa altura, mesmo antes de o Governo PSD/CDS ter caído no Parlamento, Pedro Passos Coelho teria esta estratégia pensada: atirado para a oposição, o líder social-democrata não deitaria a toalha ao chão e lideraria o contra-ataque social-democrata ao Executivo de António Costa. Para isso, precisaria (e precisa) de ser reconduzido na liderança do partido. No horizonte, estava a marcação de um congresso para depois das presidenciais, o que veio agora ser confirmado.

Seria a primeira vez, no passado recente da política portuguesa, que um primeiro-ministro deixava o cargo e continuava à frente do partido como líder da oposição. Mas na cabeça de sociais-democratas (e centristas) está a esperança de que este Governo desenhado por António Costa não sobreviva aos quatro anos da legislatura.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Conselho Nacional do PSD, órgão máximo entre congressos, reuniu-se esta quinta-feira no Hotel Sana, em Lisboa. Além das datas para as diretas e congresso, os sociais-democratas decidiram também formalizar o apoio a Marcelo Rebelo de Sousa para corrida presidencial.

As candidaturas à liderança do partido e respetivas propostas de estratégia global poderão ser apresentadas até às 18 horas do dia 1 de março. Curiosamente, se for reeleito líder social-democrata a 5 de março, Passos terá os resultados oficiais dessas eleições publicados a 9 de março, dia em que o novo Presidente da República tomará posse.