Rádio Observador

Porto

Rui Moreira diz que acabaram as desculpas sobre a reabilitação urbana no Porto

O presidente da Câmara do Porto afirmou que desde o momento em que a reabilitação urbana passou a 100% para o município acabaram-se as desculpas para o que daí vier.

A Assembleia Municipal do Porto reuniu para discutir duas propostas relacionadas com a transferência da Porto Vivo- Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU) da Baixa Portuense para o município e a sua transformação numa nova empresa.

JOSÉ COELHO/LUSA

O presidente da Câmara do Porto disse terça-feira à noite que, “a partir do momento em que a sociedade de reabilitação urbana passa a ser detida a 100% pelo município, não há nenhuma desculpa” para o que ela fizer.

Rui Moreira falava na Assembleia Municipal do Porto, que reuniu para discutir duas propostas relacionadas com a transferência da Porto Vivo- Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU) da Baixa Portuense para o município e a sua transformação numa nova empresa. Com essa transferência, o Estado retira-se do capital da SRU transferindo as suas ações para o município e este passa a dirigir toda a reabilitação urbana na cidade.

As propostas visavam a ratificação do “contrato de transmissão das ações” e do “contrato programa” acordado entre o município e o Estado e ambas foram aprovadas com 39 votos favoráveis, dois contra (Bloco de Esquerda) e quatro abstenções (CDU). Estão assim reunidas todas as condições para que, finalmente, o Tribunal de Contas viabilize também aquele acordo.

A CDU aproveitou a circunstância para criticar a atividade que a SRU desenvolveu, considerando que ela contribuiu para “reforçar o despovoamento” do centro histórico, para uma “transferência massiva” dos prédios dos pequenos proprietários para os grandes investidores e para fins turísticos. Honório Novo, deputado daquela força política, questionou ainda Rui Moreira sobre se este processo acaba com os “mal-entendidos” entre a SRU e o vereador do Urbanismo, Correia Fernandes, que esteve ausente desta sessão da assembleia municipal.

Recorde-se que, no mês passado, o vereador criticou a falta de comunicação da SRU sobre a intervenção no quarteirão junto à Praça D. João I e alertou para a “convicção de incumprimento” do Plano Diretor Municipal (PDM) devido à demolição de edifícios classificados.

Problemas como esse acabam com a integração da SDU no universo municipal, razão pela qual, segundo Rui Moreira, “doravante, não há nenhuma justificação para o município dizer que aquela sociedade tem vida própria”.

“Não há nenhuma desculpa por parte do executivo relativamente a decisões estratégicas ou táticas que venham a ser tomadas por essa sociedade”, porque agora é o município, através dos serviços respetivos, que tem a última palavra sobre a reabilitação urbana, reforçou Rui Moreira. O autarca local disse ainda, respondendo a Honório Novo, que “a SRU teve a virtude de estancar a decadência muito acelerada do centro histórico” e concordou que é preciso estar atento à chamada “gentrificação”, porque “iria expulsar moradores e resultaria num fracasso, porque os turistas vêm à cidade do Porto para ver quem cá vive”.

“Temos que ter esse cuidado”, reforçou. Rui Moreira afirmou ainda que “vai haver um momento em que a SRU não vai ser necessária”. Estimou que tal poderá acontecer após os cinco anos em que vigorará o contrato-programa assinado em julho entre o município e o Estado, o qual estabelece que cada uma das partes concederá um milhão de euros anuais a essa sociedade ao longo desse período, perfazendo um investimento total 10 milhões de euros. “O limiar de cinco anos é razoável e já não haverá necessidade deste instrumento”, vaticinou Rui Moreira.

O BE considerou “importante e necessário a SRU ter participação governamental e o socialista Gustavo Pimenta saudou os documentos apresentados e aprovados, mas disse também que existem “zonas de potencial conflito” entre os serviços municipais ligados à reabilitação urbana, o que, referiu, “vai exigir permanente atenção”.

“Não vejo onde há zonas de sombra”, replicou Rui Moreira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)