Teatro

Morreu o ator José Boavida. Comunista, benfiquista e ‘bon vivant’

1.647

O ator de “Bem-Vindos a Beirais” estava em coma há duas semanas. Comunista, benfiquista, 'bon vivant', nasceu em Castelo Branco a 24 de agosto. O Observador recorda a sua carreira e vida.

José Boavida morreu esta terça-feira por volta da meia-noite e meia no Hospital Amadora-Sintra. O ator de 51 anos estava há duas semanas em coma, na sequência de uma paragem cardiorrespiratória a 7 de janeiro.

Conhecido dos portugueses através da televisão, nomeadamente da série “Bem-vindos a Beirais”, da RTP, José Boavida, de 51 anos, estava há vários dias nos cuidados intensivos do hospital Amadora-Sintra. Sentiu-se mal depois de um jantar com amigos e, a caminho de casa, caiu inanimado no chão em Queluz. Estava em coma induzido. A alegada demora da emergência médica pode ter comprometido a saúde do ator de forma irreversível, declarou na altura ao Correio da Manhã a filha, Mariana Boavida.

Comunista, benfiquista, bon vivant, o ator nascido em Castelo Branco a 24 de agosto de 1964 fez inúmeros papéis de comédia, mas teve uma carreira fértil em vários domínios. Esteve para ser professor de Educação Física, mas apaixonou-se pela representação quando era adolescente.

José Boavida

A foto de perfil da página oficial de José Boavida foi alterada esta manhã, onde já há várias homenagens ao ator

Quem o conhecia sabia que gostava de petiscos e dos pequenos prazeres da vida. Sempre que podia, José Boavida telefonava a colegas e amigos e convidava-os para almoçar e jantar, ou então para tomarem um copo. “Já que tenho este nome, porque é que não hei de fazer jus ao nome”, disse, a rir, numa entrevista recente à SIC.

O encenador Hélder Costa, que ajudou José Boavida a dar os primeiros passos como ator profissional, na década de 90, falou com o Observador há alguns dias, quando o ator ainda lutava pela vida. Descreveu-o como alguém que sabia “que estes mundos do teatro e da representação estão cheios de competição”, mas que era “leal” e impunha-se “o limite de não pisar o outro”.

A mesma impressão tem o ator Bruno Schiappa, que conhecia Boavida há mais de duas décadas e que também falou com o Observador há alguns dias. Descreveu-o como “bestialmente simpático”: “Criámos uma grande empatia. Sempre o vi como uma pessoa íntegra e com ótima energia, nunca o ouvi queixar-se das condições de trabalho, por más que fossem.”

A carreira, a vida e o “sorriso”

José Boavida nasceu em casa do avô, em Castelo Branco, e foi criado em Chaves até aos 12 anos. Passou a adolescência nos arredores de Lisboa, entre Queluz e a Amadora, e cumpriu o serviço militar na base de Santa Margarida, em Constância. Trabalhou depois, por pouco tempo, como revisor na Editorial Caminho.

Iniciou-se como amador em 1984, no Teatro Infantil de Lisboa. Graças e Desgraças na Corte de El-Rei Tadinho, com texto de Alice Vieira e encenação de Ruy de Matos, foi uma das primeiras peças em que entrou.

Até ao fim da década, continuou nas produções infanto-juvenis, de forma intermitente, até que na viragem para os anos 90 se iniciou como profissional no grupo A Barraca. O encenador e diretor artístico Hélder Costa lembrou essa fase ao Observador. “Passou-se tudo de forma simples”, relatou.

Ele fez parte de um grupo de jovens amadores que foram fazer um espetáculo n’A Barraca. Convidei-o a ficar e ele mostrou-se interessado”, acrescentou Hélder Costa.

Estreou-se em Mi Rival, de Ralph Talbot, em janeiro de 1992. “Já se via que tinha boa figura, boa dicção, uma base cultural. Via-se que era possível e que queria fazer teatro”, recordou há dias Hélder Costa. Ao lado de Maria do Céu Guerra, entrou em MacBett (inspirado em MacBeth, de Shakespeare). Seguiram-se O Rinoceronte, de Ionesco, e O Avarento, de Molière, entre outros espetáculos.

“Eram peças com temas históricos, os atores tinham de estudar e eu obrigava-os a isso”, disse Hélder Costa. “Eu tinha um grande argumento: ‘No fim, o público vai perguntar coisas e vocês têm de saber falar com as pessoas’.” Nesse aspecto, José Boavida “foi sempre exemplar” e por isso “foi progredindo”.

À procura de outras experiências, desligou-se d’A Barraca em 1997. Tinha já entrado na série da RTP A Crónica do Tempo, com Armando Cortez e Rosa Lobato de Faria, na novela Telhados de Vidro (TVI) e nas séries cómicas Nico d’Obra (RTP) e Os Trapalhões em Portugal (SIC). Fundou em 1998 o grupo Comédias de Lisboa e apresentou Manual Sexual, encenado por Estrela Novais.

A poucos minutos d’A Barraca, na zona de Santos, em Lisboa, a Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul foi o destino seguinte do ator. Ali criou o grupo de teatro Alta Cena, tornando-se diretor artístico da coletividade – até 2014.

Tinha uma energia criativa dinâmica, percebia o que alcançava o público, mas também o que era necessário para chegar a camadas mais isoladas”, notou há dias Bruno Schiappa. “Como programador, estava atento, por exemplo, às questões dos jovens em risco.”

No Teatro Aberto, foi dirigido por João Lourenço em Peer Gynt, de Ibsen, em 2000. No mesmo ano, entrou em dois filmes sobre a Revolução de 1974: “Capitães de Abril”, de Inês de Medeiros, e “A Falha”, de João Mário Grilo. Teve também papéis em “Até Amanhã, Camaradas”, de Joaquim Leitão, e “Amália – O Filme”, de Carlos Coelho da Silva.

“Fomo-nos cruzando no audiovisual”, lembrou Bruno Schiappa ao Observador. Tinha “sempre um sorriso”, estava “sempre pronto para trabalhar” e era “muito íntegro no seu compromisso com os trabalhos”: “Nunca o ouvi queixar-se da eventual fragilidade de textos ou produções.”

Nos últimos meses, José Boavida tinha entrado para a equipa da escola Palavras Ditas e preparava-se para dar formação a jovens atores. Em 2015, publicou o livro de ficção Nunca te Esconderei o Meu Sorriso, com que assinalou três décadas de carreira. A escrita era, aliás, uma das suas paixões: chegou a publicar poesia no DN Jovem, emblemático suplemento cultural do Diário de Notícias.

A televisão tornou-o popular: mais de 40 séries ou novelas na última década. Fez Morangos com Açúcar, Floribella, Conta-me Como Foi, Malucos do Riso, Doce Tentação. “A televisão tem um ritmo muito célere, excepção feita aos telefilmes, o que nem sempre permite uma representação aprofundada”, comentou Bruno Schiappa. “Todos acabamos por ter uma personagem própria para o papel televisivo, com certas nuances, conforme estamos mais perto do vilão ou do herói. O José Boavida era capaz de muito mais, tem uma plasticidade física maior.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)