Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, está de saída do Governo liderado pelo primeiro-ministro Manuel Valls e pelo Presidente François Hollande.

O anúncio foi feito na manhã de quarta-feira, altura em que Fabius anunciou que estava prestes a entrar no seu último Conselho de Ministros.

Fabius anunciou ainda que os seus próximos passos deverão ser como presidente do Conselho Constitucional, o órgão máximo responsável pela salvaguarda da Constituição francesa, depois de ter sido convidado por Hollande a ocupar esse cargo.

“Em breve serei ouvido pelas duas comissões da assembleia e do senado e, se tudo correr bem, deverei assumir a liderança dessa grande instituição em março”, anunciou aos media franceses. Fabius deixa para trás três anos e meio à frente das relações internacionais gaulesas, um período que agora termina “com a sensação de dever cumprido”. O ministro cessante disse que é “raríssimo para um ministro dos Negócios Estrangeiros ser ator em dois grandes acordos internacionais”, referindo-se ao acordo nuclear com o Irão de julho de 2015 e o acordo em torno das alterações climáticas de dezembro do mesmo ano, após a Conferência do Clima de Paris.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Laurent Fabius assumiu a liderança do Ministério dos Negócios Estrangeiros em maio de 2012, a propósito do início de mandato do Presidente François Hollande. Além disso, Fabius foi primeiro-ministro entre 1982 e 1984, altura em que o Eliseu estava a cargo do socialista François Mitterrand.

A saída de cena do ministro dos Negócios Estrangeiros confirma assim mais uma baixa no Governo francês em poucas semanas. Noutras circunstâncias, a ministra da Justiça, Christiane Taubira, demitiu-se a 27 de janeiro em protesto contra o projeto-lei que poderá vir a permitir a retirada da nacionalidade francesa a quem for implicado em casos de terrorismo.