Foi no segundo dia do II Encontro Nacional de Estudantes de Ciência Política que António José Seguro teceu críticas, perante uma audiência de 50 alunos, à postura de António Costa face às últimas eleições primárias do Partido Socialista, escreve o jornal Expresso.

Esta terça-feira, 29 de março, o ex-secretário-geral do PS afirmou que os partidos “já não são os espaços privilegiados da promoção de candidaturas eleitorais”. Foi neste contexto que Seguro apontou o dedo a António Costa ao dizer que, enquanto ele liderou o PS durante três anos, o atual primeiro-ministro comparecia no programa Quadratura do Círculo, na SIC, “onde foi projetando e formando a sua imagem”.

Segurou assegurou que a liderança do partido é um cargo de grande “exigência” e “responsabilidade”, ao contrário de “alguém que está sentado num estúdio de televisão para fazer comentário político uma vez por semana”, onde “fala do que quer” e cujas responsabilidades passam por “agradar ou dizer a sua opinião” para eleitorado ouvir.

O nome Marcelo Rebelo de Sousa não ficou ausente da conversa, durante a conferência organizada em prol dos estudantes de Ciência Política, com o ex-secretário-geral do PS a lembrar que o atual Presidente da República “esteve anos e anos como comentador”. A isso junta-se o facto de Marcelo Rebelo de Sousa ter sido eleito sem um partido e com meios reduzidos, fazendo da sua eleição um caso de estudo.