O subcomissário da PSP que agrediu dois adeptos em Guimarães no ano passado foi alvo de uma nova queixa, em fevereiro deste ano, por “alegadas ofensas corporais” no decorrer de uma detenção, avança o Expresso. Desta vez, estará em causa a agressão a um suspeito envolvido num negócio de venda automóvel.

O Ministério Público abriu um inquérito-crime e se Filipe Silva for considerado culpado arrisca-se a ser expulso da PSP. Atualmente, o subcomissário é comandante da Esquadra de Investigação Criminal de Guimarães e a queixa envolve-o a ele e a outro agente.

A primeira queixa diz respeito aos episódios de violência que ocorreram a 17 de maio de 2015, no final de um jogo entre o Vitória de Guimarães e o Benfica. O subcomissário foi condenado a 200 dias de suspensão, com perda de remuneração, mas a pena foi suspensa por decisão da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.

Há duas semanas, ficou-se a conhecer o despacho de acusação, onde o Ministério Público anunciou que as fotografias que constam da defesa do subcomissário terão sido falsificadas e “não correspondem à verdade”. O oficial foi acusado de dois crimes de ofensa à integridade física, falsificação de documento e dois crimes de denegação de justiça e prevaricação.

Ao Expresso, o responsável do sindicato que defende Filipe Silva diz que não sabe da existência desta nova queixa – que envolve o subcomissário e outro agente – e a Direção Nacional da PSP diz que não vai pronunciar-se.