Albânia

Albânia prepara reformas com vista à adesão à União Europeia

A Albânia vai apresentar um vasto "pacote de reformas", principalmente a nível económico, tendo em vista o processo de adesão à União Europeia, anuncio o ministro dos Negócios Estrangeiros albanês.

Ditmir Bushati, ministro dos Negócios Estrangeiros albanês

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Albânia vai apresentar em breve um vasto “pacote de reformas”, principalmente a nível económico, tendo em vista o processo de adesão à União Europeia, anunciou esta segunda-feira em Lisboa o ministro dos Negócios Estrangeiros albanês.

A Albânia, que tem o estatuto de país candidato à UE desde junho de 2014, está “prestes a introduzir um vasto pacote de reformas” que espera que lhe permita alcançar as negociações de adesão, disse esta segunda-feira o chefe da diplomacia albanesa, Ditmir Bushati, após uma reunião com o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, no Palácio das Necessidades, em Lisboa.

O ministro albanês expressou a sua “firme crença” de que o processo de adesão da Albânia e de outros países dos Balcãs Ocidentais “está muito associado à transição democrática de regimes comunistas para sociedades pluralistas”.

“Esperamos que este processo coincida com o processo de [a Albânia] se tornar um Estado-membro”, declarou Ditmir Bushati.

O governante albanês adiantou que as reformas desenvolvidas no seu país estão “centradas em melhorar os aspetos económicos ligados ao Estado de direito, permitindo um crescimento consolidado, melhor ambiente empresarial e um ambiente mais seguro e atrativo para investimentos”.

O chefe da diplomacia albanesa transmitiu a sua “grande apreciação pelo firme apoio” que Portugal tem prestado quanto à “aspiração da Albânia de aderir à UE” e também “como um amigo dos Balcãs Ocidentais e da Europa do sul no seu caminho em direção à UE”.

No âmbito do processo de adesão da Albânia, a UE definiu como prioritárias a reforma da administração pública e do sistema judicial, a luta contra o crime organizado e a corrupção.

Durante a reunião de trabalho, os dois governantes concordaram na necessidade de Lisboa e Tirana aprofundarem as relações bilaterais, nomeadamente a nível económico, identificando o turismo como área preferencial, disse Augusto Santos Silva, que adiantou que a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) e a sua congénere albanesa já assinaram um memorando de entendimento.

O ministro português destacou que os dois países têm “relações excelentes no plano político”.

“Partilhamos com a Albânia o interesse na estabilidade da região dos Balcãs Ocidentais. Portugal tem participado ativamente, no quadro da União Europeia e sobretudo no quadro da NATO, nas iniciativas de paz e de promoção de segurança nos Balcãs Ocidentais. Em particular, temos tido uma presença muito importante no Kosovo”, referiu Santos Silva.

Outro tema abordado pelos dois governantes foi a crise dos refugiados.

Apesar de a Albânia não ter sido, “até ao momento, afetada pela crise”, está a “coordenar todos os esforços para ajudar a responder ao problema e também para fenómenos negativos”, como os que se têm registado em Itália e na Grécia, afirmou o ministro albanês.

Depois da Grécia em 1981, a Eslovénia em 2004, a Roménia e a Bulgária em 2007 e a Croácia em 2013, restam seis países dos Balcãs que ainda não aderiram à UE: Macedónia, Montenegro, Sérvia, Albânia, Bósnia-Herzegovina e Kosovo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)