Em concertos, há sempre dois tipos de pessoas: as que filmam quase tudo com o telemóvel e as que optam por não o fazer. Mas em breve, graças a uma patente conseguida pela Apple, o cenário poderá ser bem diferente. A marca criou um sistema que usa emissores de raios infravermelhos para desligar as câmaras dos telemóveis em locais onde a captura de imagens é proibida.

A patente tem um nome complicado — “Sistemas e métodos para receber informação infravermelha com uma câmara e desenhados para detetar imagens baseadas na luz visível” — mas o funcionamento em concertos de música é fácil de explicar: os emissores de raios infravermelhos são colocados no palco e enviam comandos para desligar temporariamente as câmaras dos telemóveis. Os telemóveis recebem esses comandos, interpretam-nos e o público deixa de ter acesso às câmaras dos seus próprios dispositivos.

Esquema do funcionamento da tecnologia patenteada pela Apple. Imagem: Apple/US Patent and Trademark Office

Os concertos não são a única aplicação para uma tecnologia deste género. No entanto, como explica o jornal The Guardian, uma patente como esta ganha relevância no contexto da indústria da música (aliás, os esquemas apresentados pela marca mostram mesmo uma banda no palco e um iPhone com a indicação “Gravação Desativada”). Em muitos concertos, as bandas pedem aos fãs que não filmem e muitas queixam-se dos baixos valores pagos em royalties quando as suas músicas são filmadas e carregadas para plataformas como o YouTube.

Embora esta tecnologia não resolva o problema na totalidade, poderá ser um passo em frente no que toca a impedir que vídeos não autorizados acabem na internet. É também possível que a tecnologia se aplique só aos iPhones, o que não impede que utilizadores com outro tipo de dispositivos — como, por exemplo, uma câmara fotográfica — filmem os concertos.