Custa a acreditar que, há apenas três anos, o espaço onde fica o jardim e a esplanada das caves Churchill’s, em Vila Nova de Gaia, era um terreno quase abandonado, cedido a um vizinho para a criação de patos. Em 2014, a companhia produtora de vinho do Porto criou ali uma zona agradável, sossegada e com vista desafogada sobre o rio Douro, o Centro Histórico do Porto e o Palácio de Cristal. Só isso já bastava para esta ser uma das melhores esplanadas da cidade. Este verão lançou o Bar Douro, com pratos criados pelo chef Tiago Santos.

A carta, inspirada pelos sabores portugueses, é curta mas variada. Tiago Santos, que já passou pela Casa de Chá da Boa Nova de Rui Paula, pela Casa da Calçada e pelo The Yeatman, abre o apetite com umas asinhas de frango barbecue com molho de maionese de piripíri (5€). Continua nas carnes com umas costeletas no carvão de porco bísaro (8€), carne transmontana com menos gordura do que o porco ibérico, por exemplo. Os acompanhamentos são pagos à parte.

Todas as semanas há um peixe diferente, mediante o que houver de mais fresco no mercado. Ultimamente, a vencedora tem sido a sardinha, servida sobre arroz de tomate e infusão de poejo (7€). Permanente na carta é o polvo com batata-doce, cozido com laranja e finalizado nas brasas do carvão (10€).

churchills caves porto sardinha

A sardinha com arroz de tomate vai bem com vinho branco. © Sara Otto Coelho / Observador

A finalizar o menu está a salada de abóbora (5€) e as sobremesas (2,50€), “sempre frescas”, explica ao Observador Tiago Santos. Vão variando, entre mousse de manjericão, leite creme de poejo e gelado de morango, por exemplo. O Bar Douro funciona em regime pop up, o que significa que, no final de julho, faz as malas e vai embora, mais propriamente para Londres, onde o chef vai abrir um restaurante em setembro.

Maria Emília Campos, CEO da Churchill’s, não quer perder este conceito e admite que vai procurar outro chef que possa manter, em setembro e outubro, quando ainda há bom tempo, uma oferta gastronómica que combine com os vinhos ali produzidos. Em agosto, mês de férias por excelência, o conceito será outro: finger food, à base de pataniscas, queijos e enchidos, para acompanhar as provas de vinhos do Porto e do Douro.

Porque, sim, o vinho está no centro de tudo o que a Churchill’s faz. A carta foi feita para harmonizar com cinco referências de vinho do Porto (copos entre os 4€ e os 12€) que podem ser servidas frescas, com destaque para o Dry White (também disponível com 10 e 20 anos), e cinco referências de Douro (copos entre 2€ e 7€), que a companhia também produz.

churchills caves Porto

A esplanada tem quatro mesas com bancos corridos, num total de 20 lugares. © Sara Otto Coelho / Observador

A esplanada tem 20 lugares ao todo, divididos por quatro mesas. Quem quiser pode entrar diretamente para o jardim, mas vale a pena fazer, pelo menos uma vez na vida, uma prova e uma visita guiada às caves. O Centro de Visitas abriu no início de 2012 precisamente para esse efeito. A prova mais económica inclui três vinhos, custa apenas cinco euros e dá direito a visita personalizada, o que significa que tanto enólogos como leigos saem da Churchill’s alegres. E não é por culpa do álcool no sangue.

Nome: Churchill’s Graham
Morada: Rua da Fonte Nova, 4400-156 Vila Nova de Gaia (paragem “Fonte Nova” nos autocarros 901 e 906 da STCP)
Contacto: 22 370 3641
Horário: De quarta a sábado das 12h30 às 16h. Entre agosto e outubro funcionará em simultâneo com o centro de visitas, de segunda a sábado das 09h30 às 18h30
Reservas: Aceitam
Site: http://www.churchills-port.com/