Com a convenção do Partido Republicano que deverá confirmar Donald Trump como candidato republicano às eleições de novembro já marcada por uma polémica devido ao discurso de Melania Trump — demasiado parecido ao de Michelle Obama em 2008 –, a BBC reuniu alguns dos melhores, mais polémicos e mais extraordinários momentos das convenções partidários dos Estados Unidos.

Clint Eastwood e a cadeira vazia

Na convenção republicana de 2012, que confirmou a nomeação de Mitt Romney como candidato do partido, o ator Clint Eastwood conversou durante cerca de dez minutos com uma cadeira vazia.

Na cadeira, o ator imaginou Barack Obama e fez duras críticas ao presidente que acabaria por ser reeleito.

Durante o discurso, que fez como convidado surpresa, Clint Eastwood utilizou o humor para se referir a temas polémicos como a guerra no Afeganistão, acusando Obama de não cumprir as promessas que fez.

O discurso do ator foi extremamente criticado nas redes sociais, apesar de ter sido bastante bem recebido pelos republicanos que se encontravam na convenção.

1968: Protestos contra a guerra em Chicago

O ano de 1968 ficou marcado pelo assassinato de Martin Luther King Jr. e pelos protestos contra a guerra e a favor dos direitos humanos. Kenneth C. David, um especialista em história dos EUA, explicou à BBC que esse “foi um ano de profundas divisões por questões raciais e pela guerra do Vietname”.

Officers from the Chicago Police Department push a protestor's head against the hood of a car as they restrain him after he climbed onto a wooden barricade near the Democratic headquarters of the 1968 Democratic National Convention and waved a Vietcong flag during anti-Vietnam War demonstrations, Chicago, Illinois, August 26, 1968. (Photo by APA/Getty Images)

Getty Images

A convenção do Partido Democrata foi “atacada por quem protestava conta a guerra”, e houve “distúrbios nas ruas de Chicago”, incluindo no próprio lugar da convenção. “Foi a mais terrível e polémica na história das convenções políticas nos EUA”, explica Kenneth C. David.

A police officer escorts a protestor to a squad car surrounded by dozens of anti-Vietnam War demonstrators outside the 1968 Democratic National Convention, Chicago, Illinois, August 1968. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)

Getty Images

Conflitos entre polícia e ativistas passaram em direto na televisão, e os protestos fizeram com que a cidade de Chicago, que recebia várias vezes as convenções dos partidos, deixasse de ser o palco destes eventos. Só novamente em 1996 tornou a haver uma convenção em Chicago – a que consagrou Bill Clinton.

Como Ronald Reagan perdeu uma convenção e se tornou presidente

No ano de 1976, o Partido Republicano tinha como candidatos à nomeação presidencial o então presidente Gerald Ford, e o ex-governador da Califórnia Ronald Reagan. Ford, recorde-se, não tinha sido eleito. Ficou à frente dos EUA depois da renúncia de Richard Nixon.

Na altura da convenção, os candidatos estavam empatados, e as negociações internas do partido aconteciam, sobretudo, nos bastidores.

American president Gerald Ford (left) listens as future American president Ronald Reagan (1911 - 2004) delivers a speech during the closing session of the Republican National Convention, Kansas City, Missouri, August 19, 1976. (Photo by Hulton Archive/Getty Images)

Hulton Archive/Getty Images

A votação final deu a vitória a Ford, que convidou Reagan a discursar na convenção para aumentar a coesão interna do partido. Porém, Reagan chegou ao púlpito e apresentou-se como o próximo candidato republicano.

Gerald Ford viria a perder as eleições para o democrata Jimmy Carter. Reagan acabou por se tornar no grande líder dos republicanos e chegou a presidente em 1981.

Como Theodore Roosevelt se tornou presidente por acaso

Há mais de cem anos, em 1900, o presidente William McKinley procurava a reeleição. Na convenção do Partido Republicano, contudo, a questão era outra. “O vice-presidente, Garret Hobart, tinha morrido e a pergunta principal na convenção era quem iria McKinley escolher para seu vice-presidente”, lembra o académico Kenneth C. Davis.

Acabou por ser escolhido Theodor Roosevelt, na altura governador de Nova Iorque. A escolha de Roosevelt poderá ter estado relacionada com as polémicas que o seu reformismo causava em Nova Iorque.

Como McKinley foi assassinado nove meses depois do início do mandato, Roosevelt acabou por assumir a presidência. Tornou-se o mais jovem presidente da história dos EUA. Por acaso.

O lançamento de Obama na convenção de 2004

Em 2004, John Kerry e John Edwards batiam-se pela nomeação do Partido Democrata. O vencedor foi John Kerry, que acabou por ser derrotado pelo reeleito George W. Bush nas urnas.

BOSTON - JULY 27: U.S. Senate candidate Barack Obama of Illinois delivers the keynote address to delegates on the floor of the FleetCenter on the second day of the Democratic National Convention July 27, 2004 in Boston, Massachusetts. (Photo by Spencer Platt/Getty Images)

Getty Images

Mas o grande acontecimento desta convenção foi o lançamento de Barack Obama como jovem sensação da política norte-americana. Na altura em campanha para o Senado, Obama aproveitou a exposição que a convenção lhe deu para fazer um discurso revolucionário, falando da sua história de vida e pedindo a honestidade dos políticos.

“Queria ser um homem duro”, lembrou anos mais tarde Obama. No fim do discurso, recorda a BBC, um repórter da NBC disse: “Acabo de ver o primeiro presidente negro”.