Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Se ainda não o fez, atualize já o seu iPhone, iPad ou computador Mac para a versão mais recente do sistema operativo. É que foi recentemente descoberta uma grave brecha de segurança que permite, com uma simples mensagem, ter acesso à memória do seu aparelho, assim como às palavras-passe nele guardadas. Ou seja, basta que alguém mal-intencionado tenha o seu número de telemóvel para poder desencadear o processo. A notícia foi avançada pela Forbes, citada pela Quartz.

Tudo começa com uma mensagem de multimédia que pode ser enviada, por exemplo, por e-mail ou por iMessage, o serviço de troca de mensagens nativo da Apple. Nessa mensagem segue uma imagem infetada em formato TIFF que, uma vez descarregada para o aparelho, permite ao hacker executar códigos maliciosos para aceder aos seus dados pessoais.

Há, no entanto, uma particularidade que torna esta falha de segurança ainda mais séria. É que, por defeito, o iMessage está programado para descarregar automaticamente as imagens recebidas. Isso torna o ataque particularmente eficaz, uma vez que nem é necessária a negligência do utilizador — isto é, o utilizador nem sequer tem que cair no erro de abrir o ficheiro, pois o programa malicioso é automaticamente descarregado para o aparelho.

De acordo com a Quartz, todos os aparelhos da Apple estão vulneráveis a este problema, exceto os dispositivos móveis com a versão 9.3.3 do iOS, ou computadores Mac com a versão 10.11.6 do sistema operativo El Capitan, que são as versões mais recentes lançadas pela Apple em meados deste mês. O problema foi descoberto por Tyler Bohan, um investigador que trabalha na empresa de tecnologia Cisco.

Em contrapartida, se não quiser atualizar o seu aparelho, existe outra alternativa para se manter longe deste problema específico. Terá de desativar o iMessage no seu iPhone, bem como o recebimento de mensagens MMS. Mas, como explica a Quartz, só poderá receber mensagens de texto se assim o fizer. Para já, estima-se que 93 milhões de dispositivos iOS estejam ainda vulneráveis a esta falha de segurança, mas o número total de aparelhos suscetíveis ao problema poderá ser muito maior.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR