783kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Portugal virou para a "direção errada", diz o alemão Otmar Issing

Este artigo tem mais de 5 anos

Um dos arquitetos da zona euro, Otmar Issing, que recentemente anteviu uma grande crise na Europa, lança fortes críticas ao governo português, em entrevista à Bloomberg.

i

Carsten Koall/Getty Images

Carsten Koall/Getty Images

Um dos arquitetos da zona euro, Otmar Issing, diz em entrevista à Bloomberg que Portugal seguiu “na direção errada”. Os desenvolvimentos recentes em Portugal foram um dos aspetos mencionados pelo alemão, próximo de Angela Merkel e antigo economista-chefe do Banco Central Europeu, que deu uma entrevista à agência noticiosa em que vai um pouco mais longe do que na entrevista à Central Banking em que disse que a zona euro se transformou num “castelo de cartas” que arrisca desmoronar-se em breve.

Em entrevista à televisão da Bloomberg, “Portugal é um caso que demonstra que todos os problemas [da zona euro] não são problemas da política monetária e de ganhar algum tempo”.

Portugal não só tem desperdiçado tempo, no que diz respeito a fazer as reformas necessárias, mas também, desde que o novo governo tomou posse, tem ido na direção errada“. “Agora pagam o preço dessas políticas, que vão em sentido contrário em relação àquilo de que Portugal precisa para manter o país alinhado com a estabilidade da zona euro”, afirma Otmar Issing.

Otmar Issing é presidente do Center for Financial Studies e foi um dos arquitetos da zona euro, tendo servido como economista-chefe da instituição nos primeiros anos.

A retirada dos estímulos monetários não é um problema apenas do BCE mas é, diz Issing, um “problema global”, ou seja, que deve preocupar também outros bancos centrais como a Reserva Federal dos EUA e o Banco de Inglaterra. Ainda assim, “será muito difícil para o BCE gerir a retirada dos estímulos sem que existam distorções nos mercados” — daí que Otmar Issing defenda que exista uma ação coordenada entre os bancos centrais mais importantes do mundo para gerir a retirada dos estímulos.

Quanto às medidas e o tom adotado por Mario Draghi na conferência de imprensa de quinta-feira, Otmar Issing diz que “não houve surpresas”. Os investidores estão, agora, “a olhar para a reunião de dezembro” à espera que o BCE anuncie um reforço ou um prolongamento dos estímulos. Essa expectativa está a levar o euro a cair para a cotação mais baixa dos últimos seis meses, face ao dólar.

Euro em mínimos de seis meses face ao dólar

EURUSD Curncy (EUR-USD X-RATE) 2016-10-21 09-20-30

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos