533kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Transportes em Lisboa. Quem espera, desespera

Este artigo tem mais de 5 anos

Quando o assunto é transportes públicos, qual é o estado da cidade? A municipalização está a chegar, no momento em que as queixas se avolumam. O Observador analisa cinco temas que afetam os lisboetas.

Atrasos, diminuição da frequência ou supressão de carreiras, higiene e conservação e o sistema de bilhetes são as principais queixas dos utilizadores
i

Atrasos, diminuição da frequência ou supressão de carreiras, higiene e conservação e o sistema de bilhetes são as principais queixas dos utilizadores

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Atrasos, diminuição da frequência ou supressão de carreiras, higiene e conservação e o sistema de bilhetes são as principais queixas dos utilizadores

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Na próxima terça-feira, 25 de outubro, debate-se o Estado da Cidade na Assembleia Municipal de Lisboa. É o último destes debates antes das eleições autárquicas do próximo ano. Este é o quarto de uma série de cinco artigos que o Observador vai publicar sobre áreas fundamentais da cidade: mobilidade, transportes públicos, higiene urbana, habitação e lazer.

O diagnóstico

Já não é novidade para quase ninguém: os utilizadores dos transportes públicos em Lisboa estão a desesperar com o estado dos serviços.

No metro são frequentes as “perturbações na circulação”, que originam longos tempos de espera e fazem com que os comboios estejam constantemente lotados (e não ajuda que a Linha Verde funcione, há alguns anos, apenas com três carruagens). Os motivos que levam os utilizadores deste meio de transporte a apresentar queixas mostram que há também outros problemas por resolver. Nos primeiros seis meses do ano, das 4.576 reclamações que a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) recebeu, 878 diziam respeito ao Metro de Lisboa. O Metro do Porto, por exemplo, só foi alvo de 55 denúncias. A maioria das queixas incidiu sobre as avarias nas escadas rolantes e nos elevadores (14%), sobre o valor das coimas por andar sem bilhete (7%) e sobre a falta de informação nas estações (5%). O incumprimento de horários é apenas o nono tópico que mais queixas motiva (4%).

Tantos problemas devem-se, sobretudo, e segundo a administração do metro, aos constrangimentos orçamentais a que a empresa esteve sujeita durante a vigência do programa da troika e à não contratação de novos funcionários apesar de a rede se ter expandido. Recentemente, o presidente do Metro de Lisboa admitiu que 19 carruagens estavam avariadas e que só no final deste ano é que a situação poderia estar mais normalizada.

O transporte em autocarros também não sai bem na fotografia. Além da AMT, também a DECO recebe reclamações neste campo. Desde fevereiro, altura em que lançou o site Queixas dos Transportes, a associação já recebeu 2.524 pedidos de intervenção jurídica para reclamar do estado dos serviços. Lisboa é a cidade que teve mais reclamações (1029) e o transporte rodoviário lidera o ranking. Os atrasos, a diminuição da frequência ou supressão de carreiras, a higiene e conservação e o sistema de bilhetes são os assuntos mais reclamados.

As promessas (de 2013)

A gestão dos transportes públicos da capital (ainda) não é uma competência da Câmara Municipal de Lisboa. A autarquia reclama, já há vários anos, um papel mais ativo neste campo — como provam os objetivos inscritos no programa de governo municipal de 2013.

Municipalizar a gestão dos transportes públicos

Quase pronto. Era um objetivo que já vinha dos tempos em que António Costa estava à frente da autarquia. “Lisboa não pode, assim como a sua área metropolitana, continuar a ser parte excluída na gestão, do planeamento e da decisão em matéria de transportes”, pode ler-se no programa autárquico de 2013. No início de 2017, depois de cancelada a subconcessão a empresas privadas promovida pelo Governo de Passos Coelho, a Carris vai para as mãos da câmara. Na apresentação do orçamento para o próximo ano, há duas semanas, o vereador das Finanças explicou que o financiamento da companhia de autocarros lisboeta será garantido por receitas provenientes de três fontes: o Imposto Único de Circulação (IUC), as multas de trânsito e as tarifas de estacionamento. O metro, ao contrário do que era desejo de Costa quando era autarca, vai continuar na dependência direta da administração central. Mas, assegurou Fernando Medina há poucos dias, a câmara vai manter-se um parceiro “muito atento”.

Alargar o número de faixas bus

Em curso. No já longínquo ano de 2012, o Governo — apertado pelo programa da troika — decidiu suprimir 23 carreiras da Carris. Após muita contestação das autarquias, a Carris optou por suprimir apenas quatro carreiras e negociou com a câmara a criação de 22 faixas bus. Durante muito tempo a promessa não saiu do papel e, quando saiu, apenas três dessas 22 faixas foram criadas. Na altura, a câmara prometeu que as restantes faixas ficariam dependentes da “realização de obras de maior vulto”. Essas obras estão a decorrer agora e uma das apostas tem sido precisamente as faixas bus. Mas, contrariamente ao que tinha sido assumido em 2013, há ruas (como a Morais Soares e a rua dos Fanqueiros) e avenidas (de Roma e Pedro Álvares Cabral) que não têm nem vão ter estas faixas.

Estudar a criação de duas linhas de elétrico na parte alta da cidade (Ameixoeira e Benfica) e na zona ocidental (entre o Restelo e Alcântara)

Por cumprir. Se os estudos existem, a câmara ainda não os mostrou. No que toca a elétricos, a única garantia do município é a de repor a carreira 24, que ligava o Cais do Sodré a Campolide na sua versão final — e que foi suspensa “provisoriamente” há 21 anos.

Aumentar o número de táxis e autocarros elétricos

Falta quase tudo. Começou a circular esta semana o primeiro autocarro elétrico da Carris. O veículo estará em teste até ao início do próximo ano e, para lá disso, nada está ainda definido. Quanto aos táxis, cuja regulação depende do Governo e não da câmara, o desejo do ministro do Ambiente (expresso em maio) é que brevemente exista uma frota de mil veículos elétricos em Lisboa e no Porto.

O que dizem os lisboetas

[jwplatform rlJxlUuj]

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.