A crise humanitária que está a devastar o nordeste da Nigéria, onde os ataques do Boko Harem têm sido sucessivos, poderá vir a provocar a morte de 75 mil crianças nos próximos meses, alertou, na terça-feira, a Organização das Nações Unidas.

Peter Lunberg, coordenador humanitário da ONU, explicou à France-Presse que a crise está a alastar-se a “grande velocidade” e que, neste momento, existem 14 milhões de pessoas que precisam urgentemente de ajuda humanitária. “Cerca de 400 mil crianças precisam de assistência e 75 mil podem vir a morrer nos próximos meses”, salientou.

A ONU espera conseguir chegar aos 14 milhões de pessoas com a ajuda do Governo nigeriano. Porém, Lunberg admitiu à agência de notícias francesa que a organização não tem dinheiro suficiente para lidar com uma crise humanitária desta escala e apelou aos parceiros internacionais que juntem “as mãos” para ajudar a travar a fome na Nigéria.

“Precisamos de chegar ao setor privado, aos filantropos da Nigéria”, afirmou. “Vamos pedir aos parceiros internacionais que se cheguem à frente porque só conseguimos resolver esta situação se todos juntarem as mãos”.

Desde a sua insurgência, em 2009, que o grupo jihadista Boko Haram tem vindo a devastar sucessivamente as regiões mais pobres do nordeste da Nigéria. A onda de violência já levou à deslocação de mais de milhares de pessoas, paralisando o comércio e a agricultura. Estima-se que mais de 20 mil pessoas tenham morrido.