Há novos desenvolvimentos no novo escândalo que diz respeito a fugas ao fisco de várias personalidades do futebol mundial. Cristiano Ronaldo tem estado no centro da polémica com uma alegada fuga ao fisco de rendimentos obtidos em direitos de imagem. E há primeiras suspeitas sobre o destino desse dinheiro.

Segundo noticia o El Mundo, cerca de 150 milhões de euros em direitos de imagem do jogador português (obtidos entre 2009 e 2010) “desapareceram entre portas” de uma moradia situada nas Ilhas Virgens Britânicas. O jornal espanhol dá conta que o escritório de advogados Icaza, Gonzalez Ruiz & Aleman está sediado naquela moradia, mas isto no primeiro andar, porque no rés-do-chão funciona uma farmácia.

Mas se a farmácia é frequentada todos os dias por clientes diferentes, o mesmo não se pode dizer do escritório de advogados. Este, à semelhança de outras empresas sediadas no local como sedes de bancos e outros sociedades de advogados, estão na maioria das vezes fechados, as persianas estão sempre encerradas, há câmaras de vigilância a controlar o local e quando alguém quer entrar tem de apresentar um chip. Tudo isto contribui para uma sensação de que algo, lá dentro, funciona de “forma extremamente secreta”, diz a Football Leaks.

Coentrão na mira das autoridades

Não foi só Cristiano Ronaldo que viu a alegada fuga ao fisco dos lucros da venda de direitos de imagem serem tornados públicos pelo site Football Leaks. O futebolista Fábio Coentrão, também ele agenciado por Jorge Mendes, não declarou qualquer rendimento da publicidade desde 2011, ano que chegou ao Real Madrid, e segundo o jornal espanhol também estará na mira das autoridades.