Mercado de Trabalho

Assunção Cristas. “O melhor é não mexer nas reformas do mercado de trabalho”

437

Líder do CDS diz que a avaliação da OCDE às reformas no mercado de trabalho mostra que estamos no caminho certo. Para Cristas, o melhor é não mexer nas reformas e dar tempo a que produzam resultados.

Paulo Cunha/LUSA

Autores
  • Miguel Santos Carrapatoso

A líder do CDS apela a que não sejam feitas reversões das reformas adotadas no mercado laboral. Em reação à divulgação da avaliação da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), feita pelo Observador, Assunção Cristas lembra que o Governo tem feito um conjunto de reversões em outras áreas. “Na área laboral não têm sido feitas reversões e seria bom que não fossem feitas”.

Questionada pelos jornalistas, Cristas começou por manifestar estranheza pelo facto de o Governo não divulgar a avaliação da OCDE sobre as reformas do mercado de trabalho, ainda que o relatório seja preliminar como argumenta o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

O documento mostra que as medidas tomadas pelo anterior Executivo, da qual Cristas fez parte, foram uma “reforma profunda que estão a ter um impacto positivo na competitividade, na economia portuguesa e na criação de emprego”.

“Não é por acaso que apesar de estarmos a crescer muito pouco, há criação de emprego. Provavelmente essa maior criação de emprego deve-se a uma maior flexibilidade introduzida na legislação laboral”.

Para a líder do CDS, vale a pena ouvir os estudos de entidades “independentes e credíveis” como a OCDE que mostram provavelmente que estamos no bom caminho e não devemos mexer nesta área. O melhor é não mexer nas reformas do mercado de trabalho e dar tempo a que produzam resultados.

Já no domingo, João Almeida tinha reagido ao estudo da OCDE sobre as reformas laborais introduzidas entre 2011 e 2015, que o Observador divulgou em primeira mão. O deputado e porta-voz do CDS considera que só vem confirmar mais uma vez que o caminho prosseguido pelo anterior Governo era positivo.

Em declarações ao Observador, João Almeida começou por salvaguardar que, sendo esta uma versão preliminar, “é fundamental que o estudo completo seja conhecido logo que possível”, para que os vários partidos e parceiros sociais possam ter “uma discussão mais habilitada” sobre os vários aspetos do mercado laboral.

O deputado do CDS não deixou, de resto, de lembrar que os socialistas “sempre questionaram as avaliações feitas pelo FMI e por outras entidades europeias” durante o período de intervenção da troika por acreditarem que estavam de alguma forma política e ideologicamente comprometidas com o anterior Governo. O PS, recordou João Almeida, sempre defendeu “que fosse a OCDE”, uma entidade com uma “credibilidade inquestionável”, a produzir uma avaliação desta natureza.

Ora, para João Almeida, as primeiras conclusões agora divulgadas comprovam que o anterior Governo tinha razão quando tentou “introduzir maior competitividade” no mercado laboral e torná-lo “mais ágil”.

O deputado centrista vê, por isso, com “alguma preocupação” as tentações de reversão do atual Governo no que diz respeito, por exemplo, às políticas ativas de emprego adotadas pelo anterior Executivo sobretudo junto dos mais jovens e dos desempregados de longa duração — um dos aspetos mais realçado pelos autores do estudo da OCDE.

Atualizado às 13.30 de segunda-feira com declarações da líder do CDS.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)