Médicos dos Estados Unidos e Canadá descobriram que as pessoas que vivem próximo das estradas principais, com mais trânsito, têm mais riscos de sofrer de demência.

Os investigadores observaram a saúde de dois milhões de canadianos, durante 11 anos (entre 2001 e 2012) e descobriram que as pessoas que vivem a menos de cerca de 50 metros de uma estrada principal, ou mais movimentada, apresentam 7% mais riscos de desenvolver demência.

As pessoas que vivem entre 50 a 100 metros de distância do trânsito têm 4% mais riscos de ficarem dementes, e para as que vivem entre 101 a 200 metros do trânsito, o risco é menor (2%).

Segundo Hong Chen, coordenador do estudo e investigador da agência de saúde pública de Ontario (Canadá), “o aumento da população e a urbanização levaram muitas pessoas a aproximar-se do trânsito” o que é prejudicial devido à poluição, citado pela BBC.

As causas da demência são ainda desconhecidas mas alguns fatores de risco apontados são a idade, a genética, o género (as mulheres têm mais risco), ter diabetes tipo II, falta de exercício físico, alimentação pouco saudável, o tabaco e, agora, o trânsito.

Cerca de 50 milhões de pessoas no mundo sofrem de demência, que afeta a memória e o pensamento, e a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que em 2050 o número cresça para os 135 milhões de pessoas.