Rádio Observador

Ikea

Como é que o Ikea escolhe os nomes dos seus produtos?

129

Entrar no Ikea e ler nomes estranhos, em sueco, nas etiquetas dos produtos, é algo que já faz parte do que é 'ir ao Ikea'. Mas há uma lógica curiosa por detrás da escolha de cada nome.

O fundador do Ikea sofre de dislexia e precisava de arranjar mecanismos que o ajudassem a catalogar os seus produtos

REMKO DE WAAL/EPA

Mais sobre

Poucos sabem que a escolha dos nomes dos mais de 12 mil produtos existentes está em conformidade com uma lógica interna rígida que espelha a cultura escandinava. Segundo conta a Quartz, foi a 25 de janeiro que Jon Karlsson, designer do Ikea em Nova Iorque, explicou como é que são escolhidos e atribuídos os nomes às gamas de produtos Ikea, sendo que existe uma equipa específica que faz a escolha consoante uma base de dados de palavras suecas.

Comecemos: os nomes das mobílias de arrumação são atribuídos através de ocupações profissionais e nomes masculinos, por exemplo: ‘Expedit‘ significa ‘dono de loja’ e ‘Billy‘, a estante mais vendida, faz alusão a um empregado da Ikea, Billy Liljedahl.

Para as mobílias do exterior, os nomes são atribuídos de acordo com as ilhas escandinavas: Äpplarö é uma ilha do arquipélago de Estocolmo e Västerön localiza-se em Aaland.

Já tudo o que é tapeçaria, é nomeado com nomes de cidades ou vilas da Dinamarca ou Suécia, como é o caso de Ådum, Estocolmo, Silkeborg.

Se se tratarem de lençóis de cama, fronhas de almofada ou edredons ganham o nome de flores e plantas, como é o caso de Häxört ou Circaea Lutetian.

Mas, afinal, de onde vêm (e porquê) estas regras? Vêm do fundador da Ikea, Ingvar Kamprad, que sofria de dislexia e tinha dificuldades em lembrar-se dos números dos códigos dos produtos. O próprio nome Ikea tem o seu acrónimo: Ingvar, Kamprad, Elmtaryd (que era a fazenda da sua família) e Agunnaryd (a aldeia em Småland onde cresceu).

ikeo logo

Para que conseguisse simplificar o inventário das suas mais de 389 lojas, em todo o mundo, a empresa sueca utilizava os nomes dos produtos em todos os seus mercados, não fazendo traduções ou adaptações. Para ajudar a perceber a lógica de atribuição dos nomes aos artigos, a Quartz fez uma lista em que associa os produtos ao universo de nomes, como pode conferir aqui:

  1. Artigos de casa de banho: nomes de lagos ou associados;
  2. Camas, roupeiros, móveis de sala: nomes de lugares noruegueses
  3. Vasos, tigelas, velas e apoio de velas: nomes de lugares suecos, adjetivos, especiarias, ervas, frutas e bagas
  4. Caixas, decoração de parede, quadros, relógios: expressões do calão sueco e nomes de lugares suecos
  5. Produtos de crianças: nomes de pássaros, mamíferos ou adjetivos
  6. Mesas, cadeiras e cadeiras giratórias: nomes masculinos escandinavos
  7. Tecido e cortinas: nomes femininos escandinavos
  8. Acessórios de cozinha: nomes de peixes, cogumelos e adjetivos
  9. Iluminação: Unidades de medida, estações do ano, meses, dias, termos náuticos e nomes de lugares suecos
  10. Sofás, poltronas, cadeiras e mesas de jantar: nomes suecos

Se, por acaso, estiver ainda curioso sobre algumas palavras e os seus significados, saiba que o campeão sueco do cubo mágico, Lars Petrus, decidiu fazer um dicionário de nomes do Ikea, que pode consultar aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)