Ikea

Como é que o Ikea escolhe os nomes dos seus produtos?

129

Entrar no Ikea e ler nomes estranhos, em sueco, nas etiquetas dos produtos, é algo que já faz parte do que é 'ir ao Ikea'. Mas há uma lógica curiosa por detrás da escolha de cada nome.

O fundador do Ikea sofre de dislexia e precisava de arranjar mecanismos que o ajudassem a catalogar os seus produtos

REMKO DE WAAL/EPA

Mais sobre

Poucos sabem que a escolha dos nomes dos mais de 12 mil produtos existentes está em conformidade com uma lógica interna rígida que espelha a cultura escandinava. Segundo conta a Quartz, foi a 25 de janeiro que Jon Karlsson, designer do Ikea em Nova Iorque, explicou como é que são escolhidos e atribuídos os nomes às gamas de produtos Ikea, sendo que existe uma equipa específica que faz a escolha consoante uma base de dados de palavras suecas.

Comecemos: os nomes das mobílias de arrumação são atribuídos através de ocupações profissionais e nomes masculinos, por exemplo: ‘Expedit‘ significa ‘dono de loja’ e ‘Billy‘, a estante mais vendida, faz alusão a um empregado da Ikea, Billy Liljedahl.

Para as mobílias do exterior, os nomes são atribuídos de acordo com as ilhas escandinavas: Äpplarö é uma ilha do arquipélago de Estocolmo e Västerön localiza-se em Aaland.

Já tudo o que é tapeçaria, é nomeado com nomes de cidades ou vilas da Dinamarca ou Suécia, como é o caso de Ådum, Estocolmo, Silkeborg.

Se se tratarem de lençóis de cama, fronhas de almofada ou edredons ganham o nome de flores e plantas, como é o caso de Häxört ou Circaea Lutetian.

Mas, afinal, de onde vêm (e porquê) estas regras? Vêm do fundador da Ikea, Ingvar Kamprad, que sofria de dislexia e tinha dificuldades em lembrar-se dos números dos códigos dos produtos. O próprio nome Ikea tem o seu acrónimo: Ingvar, Kamprad, Elmtaryd (que era a fazenda da sua família) e Agunnaryd (a aldeia em Småland onde cresceu).

ikeo logo

Para que conseguisse simplificar o inventário das suas mais de 389 lojas, em todo o mundo, a empresa sueca utilizava os nomes dos produtos em todos os seus mercados, não fazendo traduções ou adaptações. Para ajudar a perceber a lógica de atribuição dos nomes aos artigos, a Quartz fez uma lista em que associa os produtos ao universo de nomes, como pode conferir aqui:

  1. Artigos de casa de banho: nomes de lagos ou associados;
  2. Camas, roupeiros, móveis de sala: nomes de lugares noruegueses
  3. Vasos, tigelas, velas e apoio de velas: nomes de lugares suecos, adjetivos, especiarias, ervas, frutas e bagas
  4. Caixas, decoração de parede, quadros, relógios: expressões do calão sueco e nomes de lugares suecos
  5. Produtos de crianças: nomes de pássaros, mamíferos ou adjetivos
  6. Mesas, cadeiras e cadeiras giratórias: nomes masculinos escandinavos
  7. Tecido e cortinas: nomes femininos escandinavos
  8. Acessórios de cozinha: nomes de peixes, cogumelos e adjetivos
  9. Iluminação: Unidades de medida, estações do ano, meses, dias, termos náuticos e nomes de lugares suecos
  10. Sofás, poltronas, cadeiras e mesas de jantar: nomes suecos

Se, por acaso, estiver ainda curioso sobre algumas palavras e os seus significados, saiba que o campeão sueco do cubo mágico, Lars Petrus, decidiu fazer um dicionário de nomes do Ikea, que pode consultar aqui.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)