O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, e o presidente do PS, Carlos César, consideraram que o 1 de outubro é o melhor dia para realizar as próximas eleições autárquicas.

Estas posições foram transmitidas após as reuniões com o primeiro-ministro, em São Bento – encontro que se integrou na ronda de consultas aos partidos para a marcação pelo Governo da data das próximas eleições autárquicas.

Perante os jornalistas, Jerónimo de Sousa considerou que 1 de outubro é o dia que permite uma “maior participação eleitoral”, já na semana anterior, de setembro, “ainda muitos portugueses se encontram de férias”. Já a semana seguinte, a 8 de outubro, o líder comunista advertiu que apresenta o inconveniente de estar demasiado próxima do feriado de 5 de Outubro. “Foi uma reunião positiva. Também fizemos um apelo ao Governo para que, neste quadro eleitoral, de disputa partidária, se mantenha numa posição de isenção, permitindo que cada força política conte com as suas próprias forças e consiga o resultado pelo qual luta”, acrescentou.

Também Catarina Martins defendeu a data de 1 de outubro para a realização das eleições autárquicas, dizendo que existe já “um consenso alargado” sobre essa matéria. “É um dia com a distância suficiente face à entrada da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2018 na Assembleia da República, está perto da data em que anteriormente se realizaram as eleições autárquicas e evita-se setembro – um mês em tradicionalmente muitas pessoas ainda gozam férias e em que está a começar o ano letivo”, declarou aos jornalistas após ter sido recebida em audiência pelo primeiro-ministro.

Para Catarina Martins – que se encontrava acompanhada pelo dirigente Pedro Soares e pelo candidato bloquista à presidência da Câmara de Lisboa, Ricardo Robles – a data de 1 de outubro permite “uma campanha eleitoral autárquica participada e um dia eleitoral também participado”.

PSD, CDS, Verdes e PAN preferem eleições autárquicas a 1 de outubro

Mais tarde, o PS também defendeu a data igualmente defendida pelos partidos com representação parlamentar ouvidos antes. “O PS atribui uma grande importância às eleições autárquicas, num momento em que se discute no país o aprofundamento da descentralização política com base no reforço das autarquias locais e das entidades intermunicipais. Entendemos que a democracia local é um dos sustentáculos mais importantes do Estado e que a reforma a esse nível é uma das mais importantes para o aprofundamento democrático do país”, salientou o líder da bancada socialista.

Questionado quando é que o PS encerra o seu processo de escolha de candidatos às eleições autárquicas, o presidente dos socialistas referiu que o seu partido “não tem uma data fixada para esse efeito”. “Temos uma convenção nacional autárquica marcada para dia 6 de maio e que coincidirá grosso modo com a generalidade das candidaturas já conhecidas”, respondeu o ex-presidente do Governo Regional dos Açores.