Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo vai à ilha senegalesa onde João Paulo II e Lula pediram perdão pela escravatura

863

O Presidente da República vai visitar a ilha de Gorée, no Senegal, lugar simbólico onde o papa João Paulo II pediu perdão pela escravatura, em 1992, num gesto repetido por Lula da Silva em 2005.

A ilha de Gorée foi classificada como património da humanidade pela UNESCO em 1978

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O Presidente da República vai visitar a ilha de Gorée, no Senegal, lugar simbólico onde o papa João Paulo II pediu perdão pela escravatura, em 1992, num gesto repetido por Lula da Silva em 2005.

Marcelo Rebelo de Sousa vai deslocar-se a esta ilha durante a sua visita de Estado ao Senegal, entre 12 e 13 deste mês, que é a primeira de um Presidente português àquele país da África Ocidental, antiga colónia francesa, que faz fronteira com a Guiné-Bissau.

Situada a menos de três quilómetros da capital do Senegal, Dacar, a ilha de Gorée, ou Goreia, foi um importante entreposto do tráfico de escravos de África para as Américas até ao século XIX, e mantém como memória e símbolo desse passado uma “Casa dos Escravos”, do tempo dos holandeses, ligada ao mar por uma “Porta do Não Retorno”.

Os navegadores portugueses foram os primeiros a chegar a esta ilha, em 1444, num feito atribuído a Dinis Dias, e deram-lhe o nome de Ilha da Palma. Depois, no período filipino, foi tomada pelos holandeses, e posteriormente pelos franceses, pelos ingleses, e novamente pelos franceses.

Foi neste lugar que o papa João Paulo II, em fevereiro 1992, num discurso perante a comunidade católica da ilha, referiu que o comércio de escravos teve a participação de “pessoas batizadas, mas que não viveram a sua fé”, e declarou: “A partir deste santuário africano do sofrimento negro, imploramos o perdão do céu”.

Dias depois da morte de João Paulo II, em abril de 2005, o então Presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, visitou Gorée e repetiu esse gesto, invocando o seu exemplo: “Quando se comete um grave erro histórico, como no caso dos negros e dos judeus, o papa nos ensinou que é fácil pedir perdão”.

“Não tenho nenhuma responsabilidade com o que aconteceu no século XVIII, nos séculos XVI e XVII, mas penso que é uma boa política dizer ao povo do Senegal e ao povo da África: perdão pelo que fizemos aos negros”, afirmou.

Lula da Silva esteve na ilha acompanhado pelo músico brasileiro Gilberto Gil, na altura ministro da Cultura, que ali cantou “La Lune de Gorée”, uma canção com música sua e letra do poeta Capinan, que termina com estes versos: “Mas a lua de Gorée / Tem uma cor profunda / Que não existe / Em nenhuma outra parte do mundo / É a lua dos escravos / A lua da dor”.

A ilha de Gorée foi visitada Nelson Mandela em 1991, um ano após ter sido libertado pelo regime do ‘apartheid’, e três anos antes de se tornar o primeiro presidente negro da África do Sul.

Conta-se que Mandela se sentou sozinho numa das pequenas celas da “Casa dos Escravos” e considerou que o sofrimento dos seus 27 anos de prisão não se podia comparar ao dos escravos que por ali passaram.

Muitos negros norte-americanos deslocam-se a Gorée em busca de uma imagem do sofrimento dos seus antepassados africanos, e os três últimos presidentes dos Estados Unidos visitaram a ilha: Bill Clinton, em 1998, George W. Bush, em 2003, e Barack Obama, em 2013.

Durante a sua visita, Bush disse que a escravatura foi “um dos maiores crimes da História”.

Obama, por sua vez, declarou: “Obviamente, para um afro-americano, um presidente afro-americano, poder visitar este lugar dá-me uma motivação ainda maior no que respeita à defesa dos direitos humanos em todo o mundo”.

Dacar fica na ponta mais ocidental do continente africano e a pequena ilha de Gorée – com menos de um quilómetro de comprimento e, na sua parte mais larga, 350 metros de largura – está logo em frente à cidade, a 20 minutos de barco, mas é banhada por águas profundas, que permitiam a atracagem dos navios negreiros.

A ilha de Gorée foi classificada como património da humanidade pela UNESCO em 1978.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amêndoas da Páscoa /premium

Maria João Avillez
231

Daqui a uns dias Notre Dame terá algumas linhas nos jornais e quando muito falar-se-á nos milhões doados pelos “ricos”, não no valor do ex-libris da civilização que nos foi berço e nos é raiz e matriz

Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
208

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)