Neurociência

O cérebro dos homens pode ser maior, mas o das mulheres ganha em inteligência

3.156

O cérebro do homem pode até ser maior do que o das mulheres. Mas um novo estudo vem demonstrar que a mulher tem algumas zonas da inteligência mais desenvolvidas.

Entender melhor estas diferenças pode ajudar a entender o porquê de certas doenças afetarem mais os homens e não as mulheres, e ao contrário

Getty Images

As diferenças físicas e intelectuais entre os homens e as mulheres são alvo de várias análises e discussões, há anos. Agora, um novo estudo mostra que as suas diferenças se estendem até ao cérebro. O estudo foi levado a cabo por uma equipa da Universidade de Edimburgo, Escócia, e revela que existem diferenças nos cérebros dos dois sexos: o dos homens é maior, mas o das mulheres é mais desenvolvido em certas zonas ligadas à inteligência, conta a Quartz.

O mesmo estudo mostra que, de facto, existem diferenças na estrutura e no tamanho dos cérebros entre os dois sexos. As mulheres tendem a ter o córtex cerebral mais grosso, que está associado à inteligência, enquanto que o dos homens tende a ser maior, no geral. Estas diferenças ainda não são capazes de provar o porquê da diferença de certos comportamentos entre homens e mulheres, mas pode, no entanto, mostrar o porquê de alguns medicamentos resultarem melhor nos homens e não nas mulheres, ou vice-versa.

Os investigadores analisaram o cérebro de mais de 5.200 participantes, todos com mais de 40 anos – metade homens, metade mulheres. Para a análise, os participantes fizeram uma ressonância magnética capaz de analisar diferentes tipos de tecidos cerebrais, como os neurónios e as suas conexões. Estes dados dão aos cientistas uma imagem completa e detalhada das várias regiões do cérebro.

Depois de analisados os dados, os cientistas descobriram que, em média, o cérebro dos homens é maior – porém, o das mulheres tem sub-regiões do córtex maiores. Esta parte maior está associada à memória, aos sentidos, à aprendizagem e à tomada de decisões. Para além desta informação, percebeu-se ainda que os tamanhos dos cérebros e suas regiões são bem diferentes. O tamanho do cérebro nos homens varia imenso entre si, já o das mulheres tende a ser semelhantes entre elas. Esta investigação foi publicada na BioArXiv no início deste mês.

Ainda que estas conclusões não sejam novas, a verdade é que os estudos anteriores não tiveram uma amostra tão significativa como esta. Assim sendo, este estudo valida todos os anteriores, que partilham dos mesmos resultados. O facto dos cérebros dos homens variar, entre eles, de forma muito mais significativa do que nas mulheres “encaixa-se numa outra série de evidências que apontam para que os homens sejam mais vulneráveis quer a nível físico como mental”, defendeu Stuart Ritchie, autor do estudo e também psicólogo.

Os autores da investigação, no entanto, salvaguardam a ideia de que os diferentes tamanhos dos cérebros e suas regiões não se têm que traduzir obrigatoriamente em diferenças substâncias de comportamentos, tal como a inteligência. “O nosso estudo mostra apenas as diferenças, mas não podemos ainda dizer quais as suas causas e consequências”, afirmou o mesmo autor. Aliás, diferentes fatores ambientais e sociais, como afirma Ritchie, desempenham papéis importantes quer na forma de pensar e como de agir com os outros.

Ainda assim, o autor acredita que entender melhor estas diferenças pode ajudar a entender a razão de certas doenças afetarem mais os homens e não as mulheres, e ao contrário. Como tal, pode-se também entender quais os melhores tratamentos para ambos os sexos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)