Rádio Observador

Smartwatch

Samsung Gear S3 Frontier vs. Huawei Watch 2: um confronto de gigantes

As duas empresas lideres do mercado Android lançaram, recentemente, os seus novos smartwatches. A Samsung apresentou o Gear S3 e a Huawei o Watch 2. As diferenças são poucas mas podem ser decisivas.

HENRIQUE CASINHAS / OBSERVADOR

Autor
  • Miguel Videira Rodrigues

A Samsung é já conhecida como a rainha do mundo Android e a Huawei como a marca que começou do zero e que, ao fim de pouco tempo (e muito trabalho), conseguiu tornar-se a terceira marca a liderar o mercado dos smartphones. As duas empresas apresentaram, recentemente, vários produtos novos e, entre eles, novos smartwatches: o Gear S3 Frontier e o Watch 2.

Primeiro, as apresentações

Samsung Gear S3 Frontier

Esta é a versão mais robusta do novo smartwatch da marca sul coreana. Pesa cerca de 62 gramas, vem equipado com uma bateria de 320 mAh que promete uma autonomia de até quatro dias e um processador de 1.0 GHz Dual-Core. Vem equipado com ligações Bluetooth e Wi-Fi e possui GPS interno.

O ecrã é de 1.3 polegadas, com uma resolução de 360 x 360 e protegido com um vidro Corning Gorilla Glass SR+. O sistema operativo é próprio da Samsung e, portanto, não é Android mas sim Tizen e consegue ser compatível tanto com Android como com iOS.

O S3 tem 768 MB de RAM e 4 GB de memória interna para que possa transportar no pulso fotografias e músicas, passando a poder ser utilizado sem um smartphone nos momentos desportivos. É resistente ao pó e à água.

Preço: 400 euros.

O ecrã e os detalhes do Gear S3 Frontier surpreendem, passando um ar mais premium ao equipamento

Huawei Watch 2

A marca chinesa apostou em várias braceletes para que um só relógio consiga ser clássico e desportivo. Este equipamento pesa cerca de 42 gramas, tem uma bateria de 420 mAh que, segundo indicações da marca, garante dois dias de autonomia. Tem um processador Qualcomm de 1.1 GHz. Possui ligações Bluetooth e Wi-Fi e GPS interno.

O ecrã é de 1.2 polegadas, tem uma resolução de 390 x 390 e conta com um vidro Coring Gorilla Glass. A Huawei equipou o relógio com o sistema Android Wear tornando-o compatível com Android e iOS.

Tem 4 GB de memória para armazenamento de fotografias, músicas e aplicações. A RAM do equipamento é de 768 MB e é resistente à água.

Preço: 330 euros.

Mesmo não conseguindo tanto brilho, o Watch 2 consegue bons resultados com luz solar direta

Os dois equipamentos possuem GPS para que possam ser utilizados de forma autónoma, por exemplo, durante as atividades físicas.

No pulso é que eles mostram o que valem

Assim que colocamos os relógios no pulso percebemos logo que existe uma grande diferença entre os dois: o S3 Frontier causa mais impacto, tanto no utilizador como nos que estão á volta. O facto de ser maior, mais pesado e ter um ecrã com melhor definição ajuda a que seja mais sentido quando o utilizamos.

O Watch 2 consegue ser mais agradável para o utilizador. É mais leve e discreto, conseguindo proporcionar uma sensação mais realista, no sentido em que se aproxima do conforto de um relógio tradicional.

Os dois smartwatches portam-se muito bem quando ligados a um Android ou a um iPhone mas, como seria de esperar, claro que o sistema utilizado pela Samsung tem algumas limitações quando está ligado ao iOS e é muito mais agradável quando é utilizado com um smartphone da marca.

Deixamos um especial destaque para o modo de navegar pelo Gear S3. O aro em torno do ecrã do smartwatch permite que o utilizador o rode para poder alternar entre as definições, entre a informação disponibilizada e, no geral, para navegar em qualquer ecrã disponível. Associando a roda externa aos botões físicos, quase não precisamos de tocar no ecrã para fazer o que quer que seja. Esta é uma função que sentimos alguma falta no momento em que trocamos os relógios e passámos a utilizar o Watch 2.

Além de ter um aspeto mais premium a navegação através do aro em torno do ecrã torna-se muito intuitiva

As funções mais básicas são asseguradas de forma cómoda e rápida. Desde a contagem de passos à leitura da frequência cardíaca, ambos apresentam resultados semelhantes. Uma grande diferença entre os dois equipamento é que, no caso da Huawei, a empresa não incluiu a função de monitorizar o sono no relógio, ao contrário da Samsung. No Watch 2 tivemos de recorrer a uma app de terceiros (Sleep as Android) para conseguir utilizar o relógio para registar o nosso sono, enquanto que com o da Samsung basta ir para a cama e adormecer.

A nível de chamadas as duas marcas também optaram por escolhas um pouco diferentes. Enquanto que no Whatch 2 o utilizador recebe a notificação de que está a receber uma chamada e tem de utilizar o smartphone para a atender, o Gear S3 permite atender diretamente no relógio, que funciona como altifalante. Esta funcionalidade pode dar jeito em situações que não convém mexer no telemóvel como, por exemplo, durante a condução.

Grandes diferenças na autonomia

No que toca à autonomia, a vitória vai para o Gear S3 Frontier. A Samsung conseguiu otimizar o relógio para oferecer, garantidamente, três a quatro dias de utilização. Neste campo, estar ligado a um iPhone ou a qualquer smartphone Android não influencia o gasto de energia.

O carregador do S3 é muito minimalista. Prende o smartwatch através de um imane e realiza uma carga completa em cerca de duas horas

Já a Huawei, apesar de ter utilizado uma bateria maior, consegue apenas aguentar-se por um dia (e pouco). Não existe uma explicação muito lógica para este efeito, visto que as definições utilizadas foram semelhantes nos dois equipamentos, restando apenas assumir que é mesmo culpa do sistema operativo e do tipo de ecrã utilizado. Como não possui, de origem, uma forma de monitorizar o sono, acaba por não haver grande problema em deixar o smartwatch a carregar durante a noite.

Há borrachas e borrachas

Os dois modelos que recebemos para testes vinham com braceletes de borracha. Torna-os menos clássicos e mais preparados para o desporto e para colocar à prova a resistência à água dos dois aparelhos.

Apesar de mais agradável à vista, a Samsung não nos conseguiu convencer a 100% com o material escolhido para a bracelete. Durante os testes, foram várias as situações em que sentimos algum desconforto relacionado com a borracha utilizada que, ora escorrega na pele, ora arranca os pêlos do pulso.

O Huawei Watch 2 é mais leve, mais pequeno e tem uma borracha mais agradável para a pele. Consegue uma melhor interação com os dois sistemas operativos: iOS e Android

Neste detalhe, a Huawei acertou em cheio. O relógio é extremamente confortável e a borracha parece algo que, de facto, deve estar no pulso, uma vez que não provoca nenhum desconforto e desliza facilmente sem magoar.

Veredito final

Sem dúvida alguma que estamos perante dois produtos de topo, mas construidos para públicos diferentes. A Samsung parece ter apostado num smartwatch que aguente vários dias sem precisar da atenção do utilizador, que, mesmo na versão mais aventureira, trespasse um aspeto elegante e clássico que salta à vista.

A Huawei, por outro lado, optou por uma versão mais descontraída e que passa mais despercebida, sem perder aquele toque de sofisticação que um relógio (nesta ordem de valores) deve ter.

Gear S3 Frontier

Aspetos positivos

  • Bateria
  • Ecrã com excelente imagem
  • Navegação através do aro
  • Monitor de sono

Aspetos negativos

  • Borracha da bracelete
  • Peso
  • Limitações em iOS
  • Tizen

Watch 2

Aspetos positivos

  • Android Wear
  • Sensação no pulso
  • Funciona igualmente bem nos dois sistemas operativos

Aspetos negativos

  • Falta de monitorização de sono
  • Não permite atender chamadas
  • Bateria que dura apenas um dia

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Miguel Videira Rodrigues, fotografia de Hugo Amaral e Henrique Casinhas.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)