Rádio Observador

Caso Maddie

Pais de Madeleine McCann lamentam “tempo roubado” 10 anos após o desaparecimento

Dez anos é um "indicador horrível do tempo, tempo roubado", lamentaram hoje os pais de Madeleine McCann numa mensagem a propósito do aniversário do desaparecimento da filha Madeleine.

LUIS FORRA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Dez anos é um “indicador horrível do tempo, tempo roubado”, lamentaram hoje os pais de Madeleine McCann numa mensagem a propósito do aniversário do desaparecimento da filha Madeleine.

“Não há uma forma fácil de o dizer, de o descrever, de o aceitar”, referem Kate e Gerry McCann numa mensagem difundida na página de Facebook da Campanha Oficial de Busca por Madeleine, dizendo que nunca pensaram que a filha ficasse desaparecida durante tanto tempo.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

Casos como o de Shawn Hornbeck, que foi raptada e escondida durante quatro anos, ou Natascha Kampusch, durante oito anos, fazem os pais pensar que a própria filha pode estar a sofrer o mesmo.

“Estamos a preparar-nos para as próximas semanas. É provável que sejam desgastantes e dolorosas e pior ainda devido à reutilização de velhas histórias, desinformação, meias verdades e puras mentiras que vão passar pelos jornais, redes sociais e “edições especiais” de programas de televisão”, revelam.

Porém, recusam-se a dar entrevistas ou fazer aparições em programas porque são “extenuantes” e não ajudam.

“Precisam de ter um objetivo”, vincam os pais de Madeleine McCann, acrescentado: “Podiámos passar o nosso tempo e energia a tentar defender-nos e a corrigir imprecisões e mentiras, mas assim não teríamos mais força para procurar a Madeleine, cuidar dos nossos outros filhos e viver a nossa vida”.

Kate e Gerry pedem que a comunicação social tenha consciência do que incluem nas notícias e o efeito da “negatividade sem fundamento nem justificação” na família.

A propósito do aniversário, referem: “Vamos continuar, tentar o nosso melhor, nunca desistir e aproveitar o melhor que pudermos da vida que temos”.

Os progenitores reconhecem que têm enfrentado “muitos desafios e pontos baixos ao longo do caminho, mas o afeto, encorajamento e a positividade que temos sentido da ‘maioria silenciosa’ tem-nos sem dúvida ajudado e alimentado a nossa fé na bondade humana”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Desconstruir tribunais vazios

Luís Gouveia Fernandes

Seria de esperar de um plano que planeia que definisse o que fazer com tribunais que deixam de o ser. Edifícios vazios e desintegrados não têm de continuar até à eternidade. As populações agradeceriam

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)