A Galp Energia, SGPS, S.A, totalizou no primeiro semestre deste ano um resultado líquido de 99 milhões de euros, menos 15 milhões do que no período homólogo, de acordo com informação da empresa.

De acordo com os resultados comunicados à Comissão de Mercado de Valores e Mobiliários (CMVM), a Galp teve entre janeiro e março de 2017 um EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) total de 419 milhões de euros, mais 126 milhões do que no período homólogo.

As vendas totais de gás natural foram de 2.006 milhões de metros cúbicos, correspondendo a um aumento de 8% em relação ao período homólogo, “explicado essencialmente pelo incremento dos consumos para geração elétrica e dos consumos próprios da empresa”, indicou o comunicado da Galp.

As vendas oil a clientes diretos mantiveram-se nos 2,1 milhões de toneladas.

De acordo com a informação fornecida pela empresa, a 31 de março, a dívida liquida situava-se em 1.333 milhões de euros, considerando o empréstimo à Sinopec.

A produção total de petróleo e gás natural foi de 88 mil barris de petróleo equivalente por dia, um aumento de 56% relativamente a 2016.

Este aumento deve-se à maior contribuição do pré-sal brasileiro. A produção líquida aumentou 60% para 86,2 mil barris de petróleo equivalente por dia.

“No final de março, o número de estações de serviço era de 1.447, mais oito do que no período homólogo, devido à expansão em África. A rede de lojas de conveniência totalizava 825, menos três do que há um ano, devido ao encerramento de lojas em Portugal e Espanha que não compensou o aumento ocorrido em África”, referiu a empresa.