A Comissão Europeia, o Mecanismo Europeu de Estabilidade, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional confirmaram esta terça feira o acordo preliminar alcançado com as autoridades gregas, a que se seguirão discussões sobre o alívio da dívida.

Numa declaração conjunta divulgada em Bruxelas, as instituições apontam que o pacote de medidas que Atenas se comprometeu a “implementar rapidamente” constitui a base para a conclusão da segunda revisão do programa de assistência em curso.

Este acordo preliminar será agora complementado por mais discussões nas próximas semanas sobre uma estratégia credível para assegurar que a dívida da Grécia é sustentável”, lê-se na declaração.

Também o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, já reagiu ao compromisso alcançado entre Atenas e os seus credores, apontando que o mesmo é “um desenvolvimento muito positivo após meses de complexas negociações”.

“Estes novos esforços acordados pelas autoridades gregas abrem caminho a uma rápida conclusão da segunda revisão [do programa de assistência]. A célere implementação destes compromissos deverá permitir ao Eurogrupo aprovar este acordo na sua próxima reunião”, aponta Moscovici numa declaração também divulgada em Bruxelas.

Moscovici sublinha que “cabe agora a todos os parceiros alcançar um entendimento sobre a questão da dívida grega nas próximas semanas. É altura de virar a página neste longo e difícil capítulo da austeridade para o povo grego. Com este acordo, precisamos agora de escrever uma nova história de estabilidade, emprego e crescimento para a Grécia e para a zona euro como um todo”, conclui o comissário europeu.

Pouco antes, o ministro das Finanças grego havia anunciado que a Grécia chegou a um acordo preliminar com os credores, o qual deverá abrir caminho para discussões sobre a redução da dívida. “As negociações foram concluídas”, disse, aos jornalistas, Euclides Tsakalotos, de acordo com a agência noticiosa grega ANA.

As discussões entre a Grécia e os credores — Comissão Europeia, União Europeia e Fundo Monetário Internacional (FMI) — tinham sido retomadas em 29 de abril. Após as discussões durante a noite, Tsakalotos disse que um “acordo técnico preliminar” tinha sido alcançado, que deverá ser aprovado numa reunião dos ministros das Finanças da Zona Euro, prevista para 22 de maio.

O ministro grego disse “estar certo” que o acordo vai permitir à Grécia obter um compromisso dos credores sobre medidas para permitir o alívio da dívida, o que considerou vital para relançar a economia debilitada do país. Um acordo é necessário para desbloquear uma nova tranche de crédito que a Grécia precisa para pagar sete mil milhões de euros da dívida em julho.