436kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Os bebés de hoje poderão nunca chegar a conduzir

Este artigo tem mais de 4 anos

No futuro já não serão precisos exames de condução para circular nas estradas. Tudo graças à chegada dos carros autónomos e que não precisam de intervenção humana para andarem.

A pesquisa do governo dos EUA prevê que os veículos sem condutor humano reduzirão em 80% os acidentes na estrada, até 2035
i

A pesquisa do governo dos EUA prevê que os veículos sem condutor humano reduzirão em 80% os acidentes na estrada, até 2035

A pesquisa do governo dos EUA prevê que os veículos sem condutor humano reduzirão em 80% os acidentes na estrada, até 2035

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O domínio dos automóveis autónomos está previsto para os próximos 15 anos. Se assim for, os bebés que nasceram em 2017 poderão nunca precisar de se sentar à frente de um volante e conduzir um carro.

A tecnologia de veículos que se conduzem a eles próprios tem crescido de tal forma que estes podem mesmo chegar dominar as estradas a partir de 2032. Quem o diz é Amanda Blanc, a chefe-executiva de uma das maiores companhias de seguros do Reino Unido, a Axa UK.

Os bebés que nasceram hoje [em 2017] poderão nunca ter de fazer um exame de condução”, relata Blanc ao Daily Telegraph.

Blanc alertou para a necessidade dos vários sectores do mercado automóvel, com destaque para as companhias de seguros, se renovarem e se inovarem. Acompanhando, desta forma, a evolução do mercado. Acrescentou contudo que estes veículos autónomos não devem começar a circular sem que a legislação esteja preparada para solucionar possíveis acidentes entre veículos, nos quais os condutores são… computadores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Intel, empresa de tecnologia dos EUA, também já falou sobre o assunto. Na passada sexta-feira, considerou que os carros sem condutores humanos irão revolucionar a forma como as pessoas viajam, trabalham e vivem em 2050.

É expectável que os camiões de transporte de bens entre centros de distribuição e as lojas de venda possam funcionar 24 horas por dia e sete dias por semana”, relatou Brian Krzanich, o chefe-executivo da Intel.

A Intel considera ainda que esta nova tecnologia irá poupar, aproximadamente, 250 milhões de horas diárias dos consumidores das cidades mais “agitadas”.

Carro totalmente automático é testado em zona pedonal, em Londres. © Telegraph

É esperado que os carros autónomos tornem as estradas mais seguras e que aumentem a mobilidade para as pessoas com maiores dificuldades de deslocação. Uma pesquisa do governo dos EUA prevê que os veículos sem condutor humano reduzirão em 80% os acidentes na estrada, até 2035.

As viagens sem motorista já começaram a ser testadas em Greenwich, Londres, no âmbito do projeto GATEway. Transportam membros do público entre dois pontos através de cinco câmaras e três lasers instalados no automóvel para detetar e evitar obstáculos numa rota de três quilómetros.

Já na Europa, a Alemanha foi o primeiro país a legalizar a circulação de carros autónomos. Porém, esta condução é só permitida se atrás do volante estiver um condutor humano.

O que são carros autónomos?

O conceito designa todos os veículos terrestres que são capazes de transportar pessoas e bens de um ponto a outro, sem a utilização de um condutor humano.

Poderá ter vantagens em termos de segurança e de possibilidade de transportes de pessoas com maiores dificuldades de locomoção (deficientes motores ou visuais). Pode ainda aumentar a produtividade do condutor, já que lhe é possível realizar outras tarefas enquanto o carro se conduz sozinho.

Porém, também trará novos riscos, como por exemplos ataques de hackers.

Ainda existe um longo caminho pela frente de existirem veículos completamente autónomos nas nossas estradas”, conclui Stefan Schulz, responsável pela Munich Re, uma das maiores seguradoras do mundo.

Exemplo de um carro que se conduz sozinho. © AFP/Getty Images

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.