O Governo da Guiné-Bissau declarou esta quarta-feira que apoia os esforços da Arábia Saudita na luta contra o terrorismo e o radicalismo islâmico e exortou os países do Golfo a dialogarem para preservar a paz na região.

Em comunicado divulgado à imprensa, o executivo guineense afirma que apoia “de forma firme e inequívoca” os esforços da Arábia Saudita, Bahrein e dos Emirados Árabes Unidos, na luta contra o financiamento do terrorismo e do radicalismo. Bissau reafirma a sua condenação, “de forma veemente”, a todas as formas de extremismo, de intolerância e de exclusão e reitera o compromisso com a paz, tolerância e coexistência pacífica, por acreditar serem os únicos caminhos para construção de um mundo para todos.

O governo guineense convida ainda “os irmãos” da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e do Qatar para que elejam o diálogo e a cooperação com vista a encontrarem uma solução rápida que preserve a paz e a reconciliação “tão necessária” no golfo pérsico.

Desde 5 de junho que o Golfo está mergulhado numa grave crise diplomática que irrompeu quando a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein, países vizinhos do Qatar, mas também o Egito e o Iémen, romperam relações diplomáticas com Doha, que acusam de apoiar o terrorismo.

O que está em causa na crise diplomática com o Qatar? Cinco perguntas e respostas

Os três países do Golfo também fecharam as suas fronteiras terrestres e marítimas com o pequeno emirado e impuseram restrições à companhia aérea nacional do Qatar.