Fogo de Pedrógão Grande

Como a polícia encontrou a árvore onde tudo começou

5.370

A PJ demorou menos de 24 horas a encontrar a árvore onde o incêndio terá começado. Passo seguinte: descobrir e identificar vítimas. Este é o modus operandi da Judiciária no local.

António José/LUSA

Menos de 24 horas depois do início do incêndio em Pedrógão Grande, a Polícia Judiciária conseguiu descobrir a causa do fogo — uma árvore que foi atingida por um raio durante uma trovoada seca. Mas como é que os investigadores identificaram essa prova? Um especialista na investigação de incêndios florestais e urbanos explicou ao Observador como se investiga um fogo desta dimensão e o que já foi feito neste.

Determinar onde tudo começou

No caso do fogo em Pedrógão Grande, mal chegaram ao local os investigadores lançaram-se ao terreno com a recolha de prova testemunhal e com uma avaliação dos danos provocados na vegetação. Queriam saber junto de quem ali estava onde poderia ter começado o fogo. Para corroborar os testemunhos recolhidos, foram também tidas em conta as características da área ardida.

Esta primeira fase da investigação conduziu os inspetores a uma árvore “rachada” ao meio, que foi encontrada em Escalos Fundeiros, como descreveu um especialista em incêndios ao Observador. E, em menos de 24 horas, o diretor nacional da PJ, Almeida Rodrigues, anunciava que estava descoberta a causa do incêndio: causas naturais, uma trovoada seca. Mas a investigação não se fica por aqui.

Não é a árvore que inflama, mas as ervas do terreno onde esta se encontra, porque normalmente a árvore tem muita humidade e não arde. Regra geral, as trovoadas são feitas entre o estabelecimento da descarga elétrica e da terra. Quanto mais seco estiver o terreno, pior”, avança o especialista em incêndios. “O raio bate na árvore, parte-a e a árvore funciona como pára-raios, mas quando o raio desce provoca o incêndio no chão. É como se abrisse uma árvore de alto a baixo”, descreve.

Este pode não ter sido o único foco do incêndio que lavra em Pedrógão e do qual já se contam 62 vítimas mortais. “Numa zona onde há uma trovoada há várias descargas. Pode ter sido encontrada a árvore onde o incêndio começou, mas pode haver mais do que um foco, porque há mais do que um raio que pode entrar em contacto com o solo”.

A agravar, as condições meteorológicas: mais de 40 graus, ventos em várias direções. E o terreno: seco e numa estrada com dois declives, repletos de eucaliptos que “alimentam” os fogos.

Determinar o número de vítimas

Esta continua a ser uma incógnita, para já. No local onde foram encontrados vários carros carbonizados, contam-se cerca de 30 vítimas mortais. Mas pode haver mais. E só quando as chamas se apagarem por completo se poderá concluir a investigação. É que há várias casas isoladas no local onde o fogo lavra. Mas vamos por partes.

As vítimas que morreram nos carros ou junto deles. Neste caso, a PJ colabora com o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF), responsável pelas autópsias aos corpos. “Funciona quase como a investigação a um desastre de avião”, refere o especialista. Neste caso, a maior parte das vítimas estava dentro do carro ou perto. Como as viaturas foram queimadas, a PJ tem que identificá-las através do número de chassis. Depois, tem que perceber quem seguia dentro da viatura e qual a relação entre os ocupantes. Para tal, a identificação humana e até os contactos com familiares que tenham comunicado algum desaparecimento são fundamentais. Neste momento há várias equipas do INMLCF a trabalhar para conseguir saber rapidamente quem foram as vítimas.

Como estamos no fim da Primavera, os terrenos ainda estão viçosos e húmidos. O fumo é de vapor de água das plantas. As pessoas que morreram na estrada quando tentavam escapar ao fogo enfrentaram como que um nevoeiro cerrado muito branco, cheio de monóxido de carbono que é irrespirável. É como se fosse gás propano, é indolor, a pessoa fica inanimada e não sofre. Isso é fácil de ver pela posição dos cadáveres, se estavam a proteger-se ou não. Antes de as pessoas serem carbonizadas pelas chamas, a morte pode acontecer por dano das vias aéreas superiores, a pessoa está inanimada, mas respira ar a 400 graus. Tem um falecimento já inanimado”, diz o especialista.

À procura de mais vítimas. A Polícia Judiciária está, em colaboração com a GNR, a passar o terreno a pente fino para confirmar se há mais vítimas. Um trabalho que só estará concluído depois de extinto o fogo. É que naquela zona, próxima de Figueiró dos Vinhos, há muitas casas isoladas. Estas buscas têm que ser feitas com o auxílio dos militares da GNR.

Ainda se está longe de saber quanto tempo vai demorar a concluir o trabalho da PJ. A investigação só será concluída depois de identificadas todas as vítimas e de se perceber as consequências do fogo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Os esquecidos /premium

Alexandre Homem Cristo
355

As sementes do populismo estão plantadas nesse distanciamento entre o quem governa e os esquecidos, cada vez mais profundo e cada vez mais irreversível. É uma questão de tempo até algo rebentar.

Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)