818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Compare. Fogo de Pedrogão Grande foi tão intenso que via-se do espaço

Este artigo tem mais de 5 anos

A NASA captou uma imagem de Portugal um dia antes dos incêndios de Pedrogão Grande. Uma segunda imagem, tirada segunda-feira, mostra a dimensão do incêndio: era tão grande que se podia ver do espaço.

i

NASA Earth Observatory

NASA Earth Observatory

A NASA captou uma imagem do território português durante a noite na segunda-feira, 19 de junho, quando os incêndios de Pedrógão Grande já ardiam havia dois dias. A seguir, a agência espacial norte-americana comparou essa fotografia com uma outra tirada na sexta-feira anterior, 16 de junho, um dia antes dos incêndios terem começado. E a diferença é a que pode ver na comparação aqui em baixo: a luz emitida pelo fogo é tão intensa que consegue ser vista do espaço. E o fumo dos incêndios consegue encobrir ou mesmo ocultar as luzes das cidades durante a noite.

A primeira imagem foi tirada por volta das 3 da manhã de Lisboa a 16 de junho, antes do incêndio que vitimou 64 pessoas em Pedrógão Grande ter começado. Foi obtida através de um instrumento chamado Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS), em tradução literal “espectro-radiómetro de imagem de resolução moderada”. É um instrumento que está em órbita em redor da Terra desde 1999 e que serve para avaliar a temperatura da superfície (água e terra), estudar a cor dos oceanos, detetar mudanças na vegetação, observar as características das nuvens, medir as concentrações de aerossóis na atmosfera e encontrar incêndios. No máximo de dois dias, o MODIS consegue mapear o planeta inteiro.

A segunda imagem foi captada às 2h48 de 19 de junho, quando o fogo já consumia a região central de Portugal. Foi tirada pelo Visible Infrared Imaging Radiometer Suite (VIIRS) — em tradução literal, “pacote de radiometria de imagem com infravermelho visível” — um sensor criado pela Raytheon Company, empresa norte-americana de armas e produtos eletrónicos para fins comerciais e militares. É uma das cinco ferramentas a bordo de um satélite meteorológico, o Suomi National Polar-orbiting Partnership (Suomi NPP), usado pela NASA e pelo NOAA, o equivalente ao nosso Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

O que a NASA fez foi comparar as duas imagens através de um sensor muito preciso que deteta luzes noturnas com seis vezes mais resolução. É tão poderoso que consegue detetar candeeiros de estrada ou luzes emitidas por barcos e pode captar fontes de luz próximas dos infravermelhos. Embora a agência espacial norte-americana ressalve que parte da diminuição das luzes na parte norte do país tenha sido provocada pelas nuvens, grande parte delas estavam a ser ocultadas pelo fumo denso emitido pelo incêndio.

Esta não é a primeira vez que a NASA publica imagens que mostram a dimensão do fogo de Pedrogão Grande. Algumas fotografias de satélite publicadas pela agência norte-americana mostram o fumo e as áreas afetadas pelo incêndio. Pode recordá-las neste artigo ou neste.

Fotos de satélite da NASA mostram fogos na região Centro

O incêndio visto do espaço pela NASA

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos