O vice-primeiro-ministro russo, Dmitry Rogozin, foi obrigado a adiar uma visita à Moldova após o avião em que seguia ter sido proibido de entrar no espaço da Roménia e Hungria, indicou esta sexta-feira a imprensa moscovita.

Segundo Rogozin, ele próprio e várias outras personalidades governamentais russos estavam a bordo de um voo comercial para a capital da Moldova, Chisinau, quando as autoridades aeronáuticas lhes barraram a passagem pelo espaço aéreo da Roménia e Hungria, ambos Estados membros da União Europeia (UE). O avião acabou por aterrar em Minsk, capital da Bielorrússia, uma vez que estava a ficar sem combustível.

O vice-primeiro-ministro russo, que acusou as autoridades aeronáuticas romenas de serem “sacanas”, é uma das principais personalidades do Governo russo a braços com a cassação de vistos aplicada pela UEE em 2014, na sequência da anexação da Crimeia (Ucrânia) pela Rússia.

À agência noticiosa Interfax, Rogozin referiu que começou a utilizar os voos comerciais após as autoridades romenas terem fechado o espaço aéreo ao seu avião oficial. O Ministério dos Negócios Estrangeiros russo confirmou esta sexta-feira que as autoridades aeronáuticas não autorizaram a entrada de Rogozin no espaço aéreo romeno.

As autoridades romenas “estão a pôr a vida de passageiros, mulheres e crianças, em risco ao fazerem divergir o avião”, afirmou Rogozin, num “tweet” publicado nas redes sociais. No mesmo “tweet”, Rogozin deixou um aviso às autoridades romenas: “Esperem por uma resposta, seus sacanas”.