Um homem atacou esta sexta-feira à noite (por volta das 20h20, menos uma hora em Lisboa) dois militares na Rua Emile-Jacqmain, no centro de Bruxelas, com um machete, acabando por ser abatido no local pelos mesmos. A sua morte foi confirmada pouco depois, já no hospital. Um dos militares ficou ferido sem gravidade numa mão e outro na cara.

O jornal belga Le Soir avança que se trata de um somali de 30 anos, não estando este identificado pela polícia belga como potencial terrorista. O mesmo jornal, citando o presidente da câmara de Bruxelas, Philippe Close, conta que o homem terá gritado “Allahu Akbar” (“Deus é Grande”) antes de atacar os dois militares.

No Twitter, o CrisisCenter Belgium explicou que o atacante foi “neutralizado” e a que a situação no local está “controlada”. Mais tarde, adiantaria que se tratou de um atentado terrorista. Também o primeiro-ministro belga Charles Michel utilizou o Twitter para expressar o seu “apoio” às tropas, adiantando que os serviços de segurança do país “permanecerão atentos” e a “monitorizar” a situação de perto. Ao final da noite a polícia belga emitiu um comunicado onde se pode ler que o país vai manter o alerta de ameaça terrorista no nível 3 — numa escala de 4.