Rádio Observador

Basquetebol

O gesto da mãe de Drazen Petrovic que conseguiu colocar o Dragão da Eslovénia em lágrimas

Goran Dragic foi a estrela da Eslovénia na primeira vitória de sempre no Europeu de Basquetebol. Fez a festa, celebrou com 20 mil compatriotas mas "quebrou" com um gesto da mãe do falecido Petrovic.

Esloveno Goran Dragic foi considerado o MVP do Europeu, tendo marcado 35 pontos na final frente à Sérvia

AFP/Getty Images

A receção da equipa de basquetebol da Eslovénia quando regressou ao seu país após a primeira vitória de sempre no Campeonato da Europa foi qualquer coisa fascinante, com mais de 20 mil pessoas à espera dos novos heróis nacionais para uma festa rija que teve, aqui como no campo, Goran Dragic como figura principal. O canhoto de 31 anos, atualmente ligado aos Miami Heat, teve uma competição de sonho que fechou com uma exibição de génio na final frente à Sérvia, marcando 35 pontos no triunfo por 93-85. Seria depois considerado o MVP da prova.

Até no encontro decisivo, o Dragão da Eslovénia (assim se explica a quantidade de imagens com a Guerra dos Tronos que surgiram nas redes sociais desde domingo) tinha tudo para “explodir” de emoções: nasceu em Liubliana, a mãe é eslovena, mas o pai é sérvio. Nem isso conseguiu quebrar o base. Até que um gesto da mãe de Drazen Petrovic colocou o jogador lavado em lágrimas numa entrevista concedida a um canal local.

Nascido em Sibenik, Drazen Petrovic chegou à NBA em 1989 (embora tenha sido escolhido pelos Portland Trail Blazers na terceira ronda do draft de 1986) e era tido como o maior expoente de uma geração de ouro da Jugoslávia. Após passagens por Sibenka, Cibona e Real Madrid, rumou então aos Blazers, tendo sido trocado em 1991 para os New Jersey Nets. Dois anos depois, e numa altura onde parecia cada vez mais provável regressar à Europa com um contrato milionário dos gregos do Panathinaikos, acabou por falecer num acidente de viação na Alemanha com apenas 28 anos. Agora, a mãe do shooting guard que morreu em 1993 decidiu oferecer uma camisola dos Nets com o número 3 a Dragic (também joga com esse número), que se desfez por completo com a recordação.

Aos 31 anos, Goran Dragic (que tem um irmão mais novo, Zoran, que também já passou pela NBA e está agora em Itália) teve o melhor ano da sua carreira, que ganhou mais um capítulo esta quarta-feira, ao anunciar a saída da seleção da Eslovénia com o título coletivo e individual. “Consegui o que mais queria, que era a medalha de ouro. Por isso, considero que este é o melhor momento para dizer adeus”, assumiu depois dos festejos em Liubliana.

Curiosamente, o base, que além de Petrovic tinha Michael Jordan, Allen Iverson e Steve Nash como principais referências, começou por ser futebolista, carreira que foi obrigado a abdicar após uma lesão. Passou pelo Ilirija, da segunda divisão eslovena, subiu ao Slovan, esteve em Espanha (CM Múrcia), jogou no Olimpija e estreou-se na NBA pelos Phoenix Suns (depois de ter sido trocado pelos San Antonio Spurs) em 2008. Passou pelos Houston Rockets, voltou a Phoenix – onde ganhou em 2014 o prémio de jogador que mais evoluiu – e chegou aos Miami Heat em 2015, tendo na última temporada igualado a melhor média de pontos (20.3) e assistências (3.8) por jogo.

O esloveno é também conhecido por uma outra característica na NBA: é, provavelmente, dos jogadores mais azarados da competição. E desde sobrolhos abertos, olhos inchados, dentes partidos e traumatismos após quedas desamparadas, já lhe aconteceu um pouco de tudo em jogo, como mostra o vídeo abaixo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)