O presidente do governo autónomo catalão (Generalitat) acusou esta sexta-feira o executivo de Madrid de ser o “guardião do túmulo” de Franco e apelou ao voto “sim” no referendo sobre a independência, para se redigir uma Constituição sem “militares franquistas”.

Durante um evento em Sant Cugat del Vallès, Barcelona, Carles Puigdemont, ironizou com a designada Operação Anubis, promovida pelo governo de Mariano Rajoy para impedir que em 1 de outubro se realize um referendo na Catalunha.

Puigdemont recordou que Anubis é um “deus egípcio da morte e dos funerais, o guardião dos túmulos”, acrescentando: “Já sabemos de que túmulo estes senhores são guardiões, mas não está aqui, está no Vale dos Caídos”, aludindo ao local onde está a sepultura de Francisco Franco.

Entre as razões que apontou para apoiar o “sim” à independência, destacou o facto de poder construir um país “sem os vícios do franquismo”, especificando a elaboração de uma nova Constituição, “de alto a baixo, sem que esteja ao lado algum militar franquista”.