Rádio Observador

Banco de Portugal

Governador do BdP diz que objetivo dos bancos centrais não é fazer lucro mas evitar crises

Carlos Costa falou esta terça-feira sobre a independência dos bancos centrais. Declarações que surgem depois de outras, esta segunda-feira, em que dizia que "há sempre tentações de tirar o tesouro".

Carlos Costa falou numa conferência organizada pelo Banco de Portugal

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O governador do Banco de Portugal disse esta terça-feira que os bancos centrais não têm como objetivo fazer lucro, mas cumprir o serviço público de prestar estabilidade financeira e económica, evitando crises, e realçou a importância da independência nessa função.

Carlos Costa fez esta terça-feira o encerramento da conferência que o Banco de Portugal (BdP) organizou em Lisboa sobre gestão de risco nos bancos centrais, que contou com a participação de responsáveis de bancos centrais da União Europeia, com destaque para Yves Mersch, membro da comissão executiva do Banco Central Europeu (BCE).

À semelhança do discurso de abertura, na segunda-feira, o governador voltou a considerar que a gestão de risco feita pelos bancos centrais “é uma tarefa difícil”.

Carlos Costa afirmou que o que estes fazem é “equilibrar a ponte”, servir de força de compensação quando todas as forças do mercado vão para o mesmo lado.

Ao fazer isso estamos a preservar a estabilidade sistémica, o sistema económico (…). No final do dia, entendemos que o papel dos bancos centrais é muito importante em prevenir uma profunda recessão com sacrifícios sociais”, afirmou.

Carlos Costa abordou ainda o tema dos lucros feitos pelos bancos centrais para considerar que esse não é o objetivo destes quando desempenham a sua função.

“Não fazemos gestão de risco para fazer lucro, estamos numa situação em que estamos a prestar um serviço público”, disse.

O governador do Banco de Portugal, que está no seu segundo mandato, disse ainda que “preservar a independência” do banco central é fundamental no cumprimento deste serviço público que presta.

Esta foi a referência desta terça-feira ao tema da independência dos bancos centrais, depois de declarações de Carlos Costa na segunda-feira terem sido mal recebidas no Ministério das Finanças.

Na abertura da conferência, ao apresentar Yves Mersch, membro da comissão executiva do BCE, o governador do Banco de Portugal destacou a importância de ter este luxemburguês à frente do departamento do BCE que tem a missão de assegurar a independência dos bancos centrais nacionais, considerando que Mersch tem sido um importante “aliado” nessa função.

“As tentações de reduzir a independência não são uma característica só dos países do Sul. (…) Onde está o tesouro, há sempre tentações de o tirar”, disse Carlos Costa, na segunda-feira, numa frase que motivou a reação negativa do gabinete liderado por Mário Centeno.

Em declarações ao jornal Eco e depois reafirmadas a outros órgãos de comunicação social, fonte oficial das Finanças disse que “nunca foi essa a postura como o Ministério das Finanças se relacionou com o Banco de Portugal” e afirmou esperar que o governador se “retrate”.

No final da conferência desta terça-feira, Carlos Costa não prestou declarações aos jornalistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)