Rádio Observador

Inovação

Elon Musk revelou o plano de colonização de Marte

367

O presidente-executivo da SpaceX apresentou esta sexta-feira, na Austrália, uma versão melhorada e detalhada do seu plano de colonização de Marte.

Musk estima que seja necessário um investimento de 10 mil milhões de dólares

Jason Davis/SpaceX

O novo conceito de colonização de Marte apresentado esta sexta-feira pelo presidente-executivo da SpaceX, Elon Musk, inclui foguetões e veículos mais pequenos e desenhados para um uso mais amplo, além da exploração de Marte, como por exemplo a instalação de uma base lunar ou transportes de longa distância entre dois pontos na Terra.

O projeto do foguetão Falcon 9 (o brinquedo preferido da SpaceX) vai ser abandonado por fases, tal como os veículos Falcon Heavy e Falcon Dragon, por fazerem parte de uma linha de aeronaves que não tem lugar nos novos objetivos da empresa.

Os planos conhecidos esta sexta-feira no 68.º Congresso Internacional de Astronáutica, na Austrália, tem sido aprimorado no último ano, desde que o conceito de colonização de Marte foi apresentado no México. Na altura, Musk ambicionava levar um milhão de pessoas para Marte no espaço de 40 a 100 anos.

O que agora ficamos a saber não se afasta desses objetivos, mas esclarece com mais detalhe como será feito o transporte, nomeadamente os pormenores técnicos dos foguetes e aeronaves — que Musk estima representarem um investimento de 10 mil milhões de dólares. Em 2012, a SpaceX só somava 4 mil milhões em receitas, mas o empresário que também detém a Tesla, diz ter solução.

“A coisa mais importante que eu quero endereçar nesta apresentação é que eu acho que já arranjámos forma de pagar isto tudo”, disse.

Um conceito em evolução

O plano de Elon Musk de colonizar Marte gira à volta de um foguete grande — chamado BFR — que é capaz de levar uma nave espacial até ao espaço e de a deixar em órbita. Essa nave, capaz de transportar 100 pessoas, fica em órbita enquanto que o BFR regressa à Terra.

À semelhança dos foguetes da gama Falcon, o BFR será capaz de aterrar verticalmente — de forma a poder descolar logo a seguir. Quando regressar à órbita, o BFR levará combustível para abastecer a nave, que daí parte em direção a Marte.

Uma vez em Marte, 99% da energia da nave será gasta ao atravessar a atmosfera do planeta vermelho, mesmo antes de aterrar suavemente na superfície marciana.

Os novos modelos são mais pequenos e têm menos propulsores, uma evolução desde que o primeiro conceito foi apresentado.

E a fatura?

De forma a tornar este novo sistema financeiramente possível, Musk explicou que a SpaceX vai aproveitar o valor poupado com a reutilização de materiais, além da combinação dos veículos numa só linha de produção.

Queremos ter um propulsor e uma nave que substituam [os modelos] Falcon. Se conseguirmos fazer isso, todas as matérias primas podem ser aplicadas neste sistema”, elaborou.

Musk explicou que o BFR (o tal foguete grande) é capaz de fortalecer o negócio base da SpaceX — que é lançar satélites para empresas públicas e privadas. Mostrou ainda o esboço de uma nave capaz de levar telescópios e satélites gigantes e não só: capaz de colocar em órbita uma nave que iria recolher o lixo espacial.

Mas ainda voltamos à Lua

A NASA tem nos seus planos construir uma pequena estação na órbita da Lua chamada “Deep Space Gateway”, que serviria de ponto de partida e chegada para voos comerciais ou missões à Lua. Especula-se que a administração do atual presidente norte-americano Donald Trump venha a dar indicações à NASA para se envolver em mais missões na superfície lunar (a última foi em 1972).

Musk explicou que apenas um tanque de combustível seria suficiente para transportar uma nave até à superfície lunar e voltar.

Uma outra aplicação das naves seria o transporte entre pontos distantes da Terra. Um vídeo (bastante ambicioso) mostra como seriam utilizadas as novas naves da SpaceX para fazer o trajeto Nova Iorque — Xangai em 39 minutos.

O plano anterior previa que uma nave aterrasse em Marte em 2022. O deadline continua o mesmo: duas naves com matéria-prima vão aterrar em 2022, com quatro veículos a chegarem a 2024. Duas destas naves vão ser pilotadas o que, de acordo com o plano de Elon Musk, os humanos vão caminhar em Marte em apenas sete anos. “Não é uma gralha”, brinca o empresário: “É uma aspiração!”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)