Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Mais de dois terços das empresas portuguesas exportadoras de bens estavam completamente dependentes de apenas um mercado em 2016, uma tendência que se tem mantido nos últimos sete anos, indica o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Numa análise às estatísticas do comércio internacional no ano passado, o INE revela uma grande dependência das empresas que exportam bens face a apenas um mercado especifico.

Em 2016, 69,9% das empresas exportaram para apenas um mercado, ligeiramente mais que nos últimos cinco anos, que têm andado na casa dos 69%. Só em 2010 e 2011 é que este número superou os 70%.

Os números são ainda mais significativos quando se verifica o número de empresas que exporta pelo menos metade dos seus bens anualmente para apenas um país. Neste caso, mesmo com uma ligeira redução anual, mais de 94% das empresas exportam pelo menos metade dos seus produtos para apenas um país.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta dependência verifica-se pelo menos desde 2010, com pelo menos 94% das empresas com uma grande dependência de apenas um país.

A dependência pode ser verificada quando se olham para os países em particular. Por exemplo, quase 40% das empresas que exportaram bens para Angola o ano passado só tinham negócios com este país, e quase 16% das empresas que exportavam para Espanha – principal mercado para as exportações portuguesas – fizeram-no apenas para o país vizinho.

Apesar de haver uma redução no número de empresas exclusivamente dependentes do mercado angolano, algo que poderá ser consequência natural da contração das importações pela economia angolana.

O INE revela ainda que as empresas mais dependentes de apenas um mercado, por exemplo nestes dois países, são empresas com um reduzido número de trabalhadores – até 10 trabalhadores no caso das exportadoras para Angola, e entre 10 e 49 nas exportadoras para Espanha.

As melhorias verificadas nos últimos anos revelam ainda assim um tecido empresarial muito dependente de apenas um mercado e, assim, sujeito a um forte impacto em caso de crise nestes mercados, como foi o caso angolano nos anos recentes (as exportações para este mercado estarão a recuperar este ano).

No total, as exportações de bens no ano passado cresceram 0,8%, menos que os 1,5% de aumento nas importações de bens, o que gerou um aumento no défice da balança comercial de bens na ordem dos 510 milhões de euros – para os 11,2 mil milhões de euros. Estes valores não incluem as exportações e importações de serviços.