Cristiano Ronaldo é sempre, e desde há muito, um suspeito do costume no que ao prémio de melhor futebolista do mundo diz respeito. O outro é Leonel Messi, claro. A primeira vez que ambos foram nomeados para este prémio (ainda o mesmo era atribuído somente pela revista France Football; agora a FIFA “separou-se” da revista e atribui um prémio ela mesma: o The Best) foi em 2007. Curiosamente, esse prémio foi ganho pelo brasileiro Kaká — Ronaldo foi terceiro e Messi segundo na votação.

Daí para cá, ora vencia um, ora vencia o outro. Mais ninguém se intrometia na disputa entre os “extraterrestres” do futebol. Mas tempos houve em que argentino venceu bem mais — e mais seguidamente. Ronaldo venceu a Bola de Ouro em 2008. Messi ganhou o galardão quatro vezes consecutivas: de 2009 até 2012. Muitos acreditavam que Ronaldo nunca igualaria a façanha de Messi, que era impossível fazê-lo. Mas o português venceu em 2013 e 2014. E aproximou-se do jogador do Barcelona, voltando este a distanciar-se, depois de voltar a vencer em 2015. Ronaldo ganhou o prémio de melhor jogador do mundo em 2016 e é o favorito a ganhá-lo em 2017 também, esta segunda-feira, em Londres, na gala da FIFA, igualando assim o quinto de Messi. Impossível? Não para ele.

Mas não é somente nos relvados que Ronaldo é valioso e supera Messi. Também na conta bancária e naquilo que ganha anualmente fica à frente do argentino. Segundo o Gabinete de Estudos de Marketing para Desporto, do Instituto Português de Administração de Marketing, o valor da marca “Cristiano Ronaldo” cresceu 77,5 milhões de euros desde 2011, atingindo atualmente um valor potencial de 102 milhões. O estudo do IPAM é desenvolvido com base na metodologia científica Sports Reputation Index, criada pela própria universidade há sete anos, e avalia a reputação, popularidade e notoriedade de um atleta com base em seis dimensões (Receitas, Media, Web, Palmarés, Social e Impacto) e 28 variáveis. De acordo com o IPAM, Cristiano Ronaldo é o futebolista com maior notoriedade, nacional e internacional, atingindo 94 pontos numa escala de zero a 100.

Ao Observador, Daniel Sá, diretor do Instituto, explica o porquê de Ronaldo ser o melhor também na conta bancária. “Acredito que isto é sobretudo o resultado do trabalho de uma equipa profissional que rodeia Ronaldo. As grandes marcas querem estar próximas de atletas que têm visibilidade, é certo. Mas importa-lhes também a personalidade destes. Ele até poderia ter esta visibilidade toda e haver conotações negativas à volta dele. Caso Ronaldo fosse um indivíduo ‘mau’ em público ou violento no jogo, por exemplo, as marcas não teriam interesse nele”, lembrou.

Analisando o indicador “Receitas” do Sports Reputation Index, que avalia os salários dos futebolistas e os valores auferidos por contratos relacionados com direitos de imagem, Cristiano Ronaldo atinge um valor de 100 pontos. De acordo com a revista Forbes, Cristiano Ronaldo foi considerado o atleta com maiores rendimentos no mundo no último ano.

No indicador “Media”, onde se analisa a exposição mediática em meios de comunicação social (imprensa, rádio ou televisão) de todo o mundo, o jogador do Real Madrid atinge os 91 pontos. Já no indicador “Web”, Cristiano Ronaldo alcança a perfeição, 100 pontos, transformando-o no futebolista com a maior visibilidade mundial. E é simples de explicar porquê. No Facebook o português tem mais de 118 milhões de seguidores, no Twitter tem 49 milhões e no Instagram tem 85 milhões. No Google gera 56 milhões de referências e no Youtube são apresentados quase 10 milhões de vídeos sobre o futebolista português.

“Este fenómeno começou há vários anos nos Estados Unidos, em modalidades como o basquetebol ou o futebol americano, por exemplo, mas é igualmente verdade que no futebol a primeira ‘estrela’, o primeiro jogador que passou a lucrar com a imagem, foi David Beckham. Ronaldo apanhou essa boleia, claro, mas com uma performance desportiva bastante superior à de Beckham”, explica Daniel Sá.

https://www.youtube.com/watch?v=mDawCxFRVHk

Quanto ao “Palmarés”, indicador que avalia o sucesso desportivo combinando conquista de troféus, número de jogos e percentagens de vitórias, o jogador português distingue-se com um valor de 87 pontos. Ronaldo venceu a La Liga, a Liga dos Campeões, a Supertaça Europeia e o Mundial de Clubes na última época. Messi, por exemplo, venceu “apenas” a Taça do Rei e a Supertaça espanhola. Quanto ao que individualmente um e outro fizeram, estamos na presença de dois futebolistas que pulverizam estatísticas. Ronaldo foi o melhor goleador da Champions com 12 golos. Ao todo, e somando todas as provas ao longo da época, fez 42 golos em 46 jogos. Curiosamente, esta até foi a segunda pior época de Ronaldo (quanto a golos, claro) em Madrid — só na primeira (2008/09; 33 golos em 35 jogos) fez menos, mas tinha a “desculpa” de ser à época mais extremo do que avançado. Quanto a Messi, fez na última época 52 jogos… e 54 golos. Foi o melhor goleador da Europa, vencendo a Bota de Ouro.

No indicador “Social” do estudo do IPAM, indicador que avalia o impacto na sociedade, nomeadamente na comunidade científica, índices de celebridades e prémios e distinções obtidas, Cristiano Ronaldo atinge os 98 pontos. “É curioso perceber – e isso foi igualmente alvo de análise – a quantidade de artigos científicos, em universidades de todo o mundo, em que Ronaldo é referenciado. Há várias dezenas de milhares de artigos científicos sobre Cristiano Ronaldo, artigos onde estudam o seu desempenho físico e técnico. Estas são universidades de desporto, claro. Mas há outra componente que também é estudada, aquela que avalia Ronaldo enquanto marca, quanto dinheiro gera, que visibilidade tem nas redes sociais; isso é estudado em universidade de marketing”, explica o diretor do IPAM.

Combinando as diversas variáveis analisadas das seis dimensões do Sports Reputation Index e calculada a ponderação estatística de cada uma delas, o estudo do IPAM concluiu que o valor da marca “Cristiano Ronaldo” atingiu em 2016 os 102 milhões de euros, posicionando-se como o futebolista mais valioso do mundo. Desde a primeira edição do estudo, realizada em 2011, a avaliação da marca Cristiano Ronaldo tem vindo a crescer à medida que os prémios, performance e resultados desportivos se multiplicam na vida do jogador. Em 2011, a marca foi avaliada em 24,5 milhões de euros, aumentando para 40 milhões de euros em 2012 e para 43 milhões de euros em 2013. Em 2014 a avaliação da marca subiu para 54 milhões de euros — o dobro de 2011.

“O Ronaldo é muito mais do que um futebolista; é um caso de estudo. Atingiu um patamar que ninguém atingiu antes. Não me atrevo a dizer se Ronaldo é melhor do que Pelé ou Pelé é melhor do que Ronaldo. O tempo em que um e outro jogaram é diferente. Se Pelé jogasse nos tempos de hoje talvez até conseguisse um valor de marca superior, não sei. Cristiano tem hoje uma gestão muito cuidadosa da sua imagem pública. Não há falhas de profissionalismo. E nem sempre uma pessoa com tanta visibilidade consegue ser sempre exemplar. Ele consegue”, conclui Daniel Sá.

Mas alguém pode superá-lo? “O Neymar pode intrometer-se nos próximos anos, sim. O preço do Neymar [o PSG pagou por ele no Verão 222 milhões de euros] até foi relativamente ‘barato’ em comparação com o retorno que o PSG espera ter. Hoje contrata-se uma marca e não apenas um futebolista. No entanto, acredito que Ronaldo, que ainda só tem 32 anos, vai ainda valer mais nos próximos anos.”