O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, admitiu esta quarta-feira à Lusa “não ter ilusões” sobre a capacidade da cimeira UE-África resolver as questões do relacionamento entre os dois blocos, mas espera um impulso sobre os aspetos positivos.

“Espero que esta cimeira dê um impulso aos aspetos positivos de África, mas não tenho ilusões; não é esta cimeira que vai resolver de uma vez por todas as questões do relacionamento entre a União Europeia e África”, disse António Guterres.

Em entrevista à Lusa à margem da cimeira entre a União Europeia e a União Africana, que decorre até quinta-feira em Abidjan, na Costa do Marfim, o secretário-geral da ONU disse que “a cooperação com África é um elemento muito importante para ajudar o continente a resolver os seus problemas, mas também é muito importante do ponto de vista europeu”.

Sobre os principais problemas do relacionamento entre os dois continentes, Guterres apontou a crise migratória como “uma das questões que ganhou uma grande dimensão”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para o antigo primeiro-ministro português que foi também Alto Comissário para os Refugiados, “há hoje uma consciência internacional que é algo de profundamente errado que tem de ser corrigido”.

É preciso, acrescentou, mudanças “a nível da cooperação para o desenvolvimento, criar mais opções para que as pessoas possam ter futuro nas suas próprias terras, a nível das opções de migração legal, que têm de ser consideravelmente aumentadas e que se justificam até pelo considerável défice demográfico europeu, e a nível do combate muito mais eficaz aos contrabandistas e traficantes”.

Outro dos aspetos em que a cooperação europeia tem um papel importante é na transformação industrial africana, que precisa de criar valor para aumentar o desenvolvimento económico.

“Uma das grandes preocupações que a ONU tem na cooperação com África é acelerar o processo de industrialização e aumentar a cadeia de valor sobre os produtos africanos”, disse Guterres na entrevista à Lusa.

“Isso exige investimento, capacidade técnica e é por isso que a cooperação europeia é muito importante”, concluiu.

A quinta cimeira UE/África decorre entre 29 e 30 de novembro em Abidjan, a capital económica da Costa do Marfim, com o tema “Investir na Juventude para um futuro sustentável”, e conta com cerca de 80 chefes de Estado e de Governo dos países europeus e africanos

A primeira cimeira UE-África, que se realizou no Cairo (Egito) em 2000, foi promovida por Portugal, durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

Em 2007, novamente sob a égide da presidência portuguesa, Lisboa acolheu a segunda edição destas cimeiras.