Angola

José Eduardo dos Santos quer MPLA a liderar combate à corrupção em Angola

493

O líder do MPLA defende que o partido deve estar na linha da frente do combate à corrupção e ao nepotismo no país. José Eduardo dos Santos quer o MPLA a liderar uma "sociedade mais justa".

MANUEL DE ALMEIDA/EPA

O líder do MPLA, partido no poder em Angola, defendeu esta segunda-feira que aquela força política deve liderar o combate à corrupção e ao nepotismo no país, males suscetíveis de manchar a imagem do Estado e do Governo angolano.

José Eduardo dos Santos procedeu esta segunda-feira à abertura do seminário de capacitação sobre a prevenção dos tipos de crimes a que estão sujeitos os titulares de cargos públicos, subordinado ao tema “MPLA e os desafios à corrupção”, promovido pelo grupo parlamentar daquela força política.

Segundo o líder do partido que governa Angola, o MPLA deve posicionar-se na linha da frente para construir uma sociedade “mais justa, solidária e inclusiva”.

O dirigente político, que foi Presidente de Angola de 1979 até este ano, substituído, em agosto, por João Lourenço, atual vice-presidente daquela força política, sublinhou que a corrupção já tem sido definida como o segundo principal mal que afeta a sociedade angolana, depois da guerra, terminada em 2002.

Estão na base desse mal, acrescentou José Eduardo dos Santos, os “excessos” praticados por agentes públicos e privados, “que detinham de forma ilícita vantagens patrimoniais para si ou terceiros, em prejuízo do bem comum, transgredindo a lei e a norma de comportamento social”.

Sobre o nepotismo, José Eduardo defendeu que, apesar das várias definições e discussões à volta do assunto, os cidadãos qualificados não deviam deixar de ser nomeados pela razão de parentesco, ao contrário do branqueamento de capital, que considerou “sempre condenável”, tendo em conta que está subjacente uma atividade ilícita.

Para o líder do MPLA, o combate a estes males passa pela prevenção e medidas educativas, judiciais e policiais, com vista a desincentivar este tipo de crime e ultrapassar ou minimizar os efeitos nefastos no quotidiano dos cidadãos e no desenvolvimento da sociedade.

A divulgação das leis e medidas existentes ou necessárias para, de modo pedagógico, prevenir crimes atentatórios à probidade pública, cujo combate se encontra na agenda das sociedades modernas, impõe-se para fazer face a este fenómeno.

De acordo com José Eduardo dos Santos, o fenómeno da corrupção é antigo e permaneceu ao longo dos tempos, exigindo na sua abordagem um certo enquadramento histórico, social e político.

Antes deste evento, José Eduardo dos Santos apelou aos órgãos do partido, na abertura da II sessão extraordinária do Comité Central do MPLA, que apoiem as ações e medidas do executivo, que visam corrigir o que está mal e melhorar o que está bem, lema eleitoral do partido nas eleições de 23 de agosto deste ano.

Em novembro, o Presidente angolano, João Lourenço, afirmou que os compromissos assumidos durante a campanha eleitoral, desde logo o combate à corrupção, são para concretizar, reconhecendo a existência de “inúmeros obstáculos no caminho”.

“Precisamos ao mesmo tempo de neutralizar ou reduzir a influência nefasta dos que apenas se preocupam em servir a si mesmos, descurando a necessidade da defesa do bem comum”, disse João Lourenço, em novembro, por ocasião do 42.º aniversário da independência de Angola.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)