PSD

Eurosondagem. Santana perde para Costa, mas menos que Rio

1.040

Eurosondagem voltou a fazer estudo sobre diretas do PSD onde compara cada um dos candidatos a António Costa, na preferência dos portugueses para primeiro-ministro. Já entre os dois, há empate técnico.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Entre Pedro Santana Lopes e Rui Rio, é o ex-primeiro-ministro que continua a ser o melhor posicionado, entre os inquiridos pela Eurosondagem, quando colocado no cenário de uma corrida, contra António Costa, pelo cargo de primeiro-ministro. Já quanto à liderança do partido, os dois candidatos aparecem empatados (separados para 2,2 pontos percentuais, quando a margem de erro é de 4,16%) num inquérito a 548 militantes do partido no Norte, Centro e Sul do país.

O estudo foi encomendado pela candidatura de Santana Lopes à empresa de sondagens de Rui Oliveira e Costa e mostra que, tal como em dezembro, continua a ser o antigo presidente da Câmara de Lisboa a ter um melhor desempenho contra António Costa, quando comparado com o seu rival na corrida interna do PSD. No entanto, é o socialista que continua a esmagar nessa preferência.

Quando António Costa e Santana Lopes são colocados como opções perante a pergunta “quem prefere para primeiro-ministro?”, 29,6% dos inquiridos escolhe Santana e 51,7% prefere Costa (18,7% não sabem ou não responderam). A comparação com Rui Rio não é muito diferente, embora o antigo presidente da Câmara do Porto fique ainda mais abaixo do que Santana, com 25,1% das preferências face às 51,3% de Costa (23,6% não sabem ou não responderam).

O estudo revela ainda a divisão destas intenções por sexo e aí, Santana tem um melhor desempenho entre as mulheres do que Rio. E também entre os homens, embora não com uma margem tão expressiva. São 31,5% as mulheres a preferirem Santana, quando comparado com Costa (49,9%) e 26% as mulheres que escolhem Rio face ao atual primeiro-ministro (52,1%). Já entre os homens que foram inquiridos, 27,6% preferiram o ex-primeiro-ministro e 53,6% o atual. E 24,2% optariam por Rui Rio, face aos 50,6% que preferem Costa.

Há um mês, nesta mesma comparação, Santana tinha recolhido 30,2% das preferências perante António Costa que tinha 52,7% das escolhas. Os valores descem porque em janeiro aumentou o número de pessoas que não sabiam ou não quiseram responder (em dezembro foram 17,1%). O mesmo fenómeno aconteceu quando a pergunta foi feita colocando como opções Costa e Rio. Em dezembro, Rui Rio tinha 26,9% das respostas e António Costa 51,9%. Nessa altura, foram 21,2% as pessoas que não responderam, um número que agora saltou para os 23,5%.

A primeira sondagem, divulgada no começo de novembro, demonstrava que perante o atual primeiro-ministro, Santana Lopes teria 27,5% das preferências e Rui Rio 25% — o que estava dentro da margem de erro do estudo e significava um empate técnico. António Costa nunca se posicionou abaixo dos 52% frente a qualquer dos sociais-democratas. A diferença entre Santana e Rio foi, portanto, de 2,5 pontos percentuais a favor do primeiro.

Empatados na luta interna

O estudo divulgado esta quinta-feira, dois dias antes das diretas, acrescenta ainda outra pergunta. Como as eleições do PSD estão circunscritas apenas aos militantes do partido, a Eursondagem limitou esta pergunta a militantes do PSD: “Se fossem hoje as Eleições diretas para Presidente do PPD/PSD, qual seria o seu voto?” Santana Lopes e Rui Rio aparecem empatados, com o ex-primeiro-ministro a contar 51,1% das intenções de votos e o ex-autarca do Porto a ficar com 48,9%.

A sondagem faz ainda a divisão das respostas que recolheu pelas regiões do país e, nesse campo, conta a ligação que os candidatos têm às cidades que cada um geriu no passado. Santana Lopes recolhe mais intenções de voto no distrito de Lisboa e também no Sul do país, já Rio tem um melhor desempenho no distrito Porto e ligeiramente melhor no Norte no seu todo.

Vamos aos números por região. No Norte, 11% dos inquiridos escolhem Rio e 10,1% preferem Santana. Já no distrito do Porto, a vantagem de Rio dilata-se (11,1%), face a Santana (8%). No Sul, Santana esmaga (4,8%) Rui Rio (2,2%). E no distrito de Lisboa, Santana consegue 9,1% e Rio apenas 6,9%. No centro do país, é o antigo primeiro-ministro que está à frente, recolhendo 15,5% das intenções de voto, enquanto o seu rival recolhe 14,4%. Nas regiões autónomas, a diferença é mais esbatida: 3,3% para Rio e 3,6% para Santana.

Numa outra sondagem divulgada esta quinta-feira — da Aximagem para o Jornal de Negócios e o Correio da Manhã –, a distância é maior. No inquérito limitado a simpatizantes (e não militantes, como no caso da Eurosondagem), 60,4% dos inquiridos preferem Rio como líder do PSD, face a 37,1% que escolheriam Santana. Quando o universo é alargado a todos os portugueses inquiridos (600), os números são ainda mais expressivos: 69% escolhem Rui Rio e 22,5% preferem Santana.

Ficha técnica da pergunta “quem prefere para primeiro-ministro?”

Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem, S.A., nos dias 8 a 10 de Janeiro de 2018, e encomendado por Fernando Teixeira.

Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados.

O Universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa.

A amostra foi estratificada por Região (Norte – 20,1%; A.M. do Porto – 13,4%; Centro – 30,0%; A.M. de Lisboa – 26,5%; Sul – 10,0%), num total de 1.015 entrevistas validadas.

Foram efetuadas 1.148 tentativas de entrevistas e, destas, 133 (11,6%) não aceitaram colaborar Estudo de Opinião.

A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e o entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo, e desta forma aleatória resultou, em termos de sexo, (Feminino – 50,3%; Masculino – 49,7%) e, no que concerne à faixa etária, (dos 18 aos 30 anos – 18,1%; dos 31 aos 59 – 49,1%; com 60 anos ou mais – 32,8%).

O erro máximo da Amostra é de 3,08%, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

Ficha técnica da pergunta “Se fossem hoje as Eleições diretas para Presidente do PPD/PSD, qual seria o seu voto?

Estudo de Opinião efetuado pela Eurosondagem, S.A., nos dias 7, 8 e 9 de Janeiro de 2018, e encomendado por Fernando Teixeira.

Entrevistas telefónicas, realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados.

O Universo é constituído por militantes do PSD com telefone da rede fixa.

A amostra foi estratificada por Região (Norte – 21,1%; Distrito do Porto – 19,1%; Centro – 29,9%; Distrito de Lisboa – 16,0%; Sul – 7,0%), num total de 548 entrevistas validadas.

Foram efetuadas 669 tentativas de entrevistas e, destas, 121 (18,1%) não aceitaram colaborar Estudo de Opinião.

O erro máximo da Amostra é de 4,16%, para um grau de probabilidade de 95,0%.

Um exemplar deste Estudo de Opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
210

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)