Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

Não é um problema só de Hollywood. Para o produtor Steven Spielberg, o assédio sexual é um “problema nacional e, provavelmente, um problema mundial”. O produtor discorda assim da carta assinada por Catheriene Deneuve e outras 99 mulheres, que defende que o movimento #metoo — que denunciou dezenas de casos de assédio — é uma “febre de enviar «porcos» para o matadouro”. Para Spielberg, não se trata de uma “caça às bruxas” contras os homens.

Não vejo isto [o movimento #metoo] como uma caça às bruxas, por agora. Não vejo. Desculpem, não vejo como uma caça às bruxas. Vejo como um imperativo“, disse o produtor Steven Spilberg, citado pela Sky News.

As denúncias de assédio sexual do movimento #metoo constituíram, para Spielberg, um “momento decisivo” e “épico”, que “exaltaram as virtudes das mulheres que passaram por um tremendo sacrifício pessoal, com uma enorme quantidade de coragem para falar sobre o que aconteceu com elas ontem ou há 40 anos, não importa“.

Spielberg não vê as denúncias de assédio como apenas mais uma “novidade no ciclo de notícias” que deixa de ser falada no dia seguinte mas “algo que vai mudar tudo para melhor”.

A lista (sempre incompleta) dos 237 acusados de assédio sexual. 51 conhecidos, 36 não revelados, e 150 desconhecidos

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O produtor acredita que mais denúncias virão no futuro: “Há sempre mais para vir”. Spielberg não se refere apenas a Hollywood e às celebridades que “ganham muito reconhecimento” e apela: “Não se pode apenas pensar nisto como um problema de Hollywood. Isto é um problema nacional e, provavelmente, um problema global”.

As declarações de Steven Spielberg vêm na sequência de uma carta assinada por 100 mulheres, incluindo as atrizes Catherine Deneuve e Ingrid Caven e a escritora Catherine Millet — publicada no jornal francês Le Monde — que defende que os homens devem ter a “liberdade de importunar, indispensável à liberdade sexual”. “A violação é um crime. Mas tentar seduzir alguém insistentemente ou de forma desajeitada não é, nem o cavalheirismo é uma agressão machista”, pode ler-se no arranque da carta.

“Violação é crime. Tentar seduzir alguém não é”. 100 mulheres, entre elas Catherine Deneuve, escrevem contra #metoo