Assédio Sexual

Spielberg responde a Deneuve: “Isto não é uma caça às bruxas” contra os homens

670

100 mulheres -- entre elas Catherine Deneuve -- definiram o #metoo como uma "febre de enviar «porcos» para o matadouro". Steven Spielberg respondeu à carta: o assédio sexual "é um problema mundial".

Leigh Vogel/Getty Images

Não é um problema só de Hollywood. Para o produtor Steven Spielberg, o assédio sexual é um “problema nacional e, provavelmente, um problema mundial”. O produtor discorda assim da carta assinada por Catheriene Deneuve e outras 99 mulheres, que defende que o movimento #metoo — que denunciou dezenas de casos de assédio — é uma “febre de enviar «porcos» para o matadouro”. Para Spielberg, não se trata de uma “caça às bruxas” contras os homens.

Não vejo isto [o movimento #metoo] como uma caça às bruxas, por agora. Não vejo. Desculpem, não vejo como uma caça às bruxas. Vejo como um imperativo“, disse o produtor Steven Spilberg, citado pela Sky News.

As denúncias de assédio sexual do movimento #metoo constituíram, para Spielberg, um “momento decisivo” e “épico”, que “exaltaram as virtudes das mulheres que passaram por um tremendo sacrifício pessoal, com uma enorme quantidade de coragem para falar sobre o que aconteceu com elas ontem ou há 40 anos, não importa“.

Spielberg não vê as denúncias de assédio como apenas mais uma “novidade no ciclo de notícias” que deixa de ser falada no dia seguinte mas “algo que vai mudar tudo para melhor”.

O produtor acredita que mais denúncias virão no futuro: “Há sempre mais para vir”. Spielberg não se refere apenas a Hollywood e às celebridades que “ganham muito reconhecimento” e apela: “Não se pode apenas pensar nisto como um problema de Hollywood. Isto é um problema nacional e, provavelmente, um problema global”.

As declarações de Steven Spielberg vêm na sequência de uma carta assinada por 100 mulheres, incluindo as atrizes Catherine Deneuve e Ingrid Caven e a escritora Catherine Millet — publicada no jornal francês Le Monde — que defende que os homens devem ter a “liberdade de importunar, indispensável à liberdade sexual”. “A violação é um crime. Mas tentar seduzir alguém insistentemente ou de forma desajeitada não é, nem o cavalheirismo é uma agressão machista”, pode ler-se no arranque da carta.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Casas

O verdadeiro problema das casas

Rui Ramos

O corrente pânico com o preço das casas expressa esta verdade, que a nossa oligarquia se esforça por esconder: o país passa por uma prosperidade que não é para todos. 

Proteção de Dados

Erre gê pê quê?

Catarina Dornelas Pinheiro

Faltam poucos dias para a entrada em vigor do Regulamento Geral da Proteção de Dados e talvez só as grandes empresas estejam preparadas - do lado dos Ministérios só se houve um silêncio ensurdecedor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)