Rádio Observador

Moçambique

É preciso corrigir “irregularidades fortes” nas eleições em Moçambique

O presidente da Renamo disse que é preciso corrigir "irregularidades fortes" nas eleições em Moçambique. A comentário surge a oito meses de começar um novo ciclo eleitoral.

TOMÁS CUMBANA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), Afonso Dhlakama, disse esta quinta-feira em entrevista à Lusa que é necessário corrigir “irregularidades fortes” por parte do Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE), sob pena de porem em causa o processo de paz no país.

“Há irregularidades fortes que têm de ser combatidas, porque, se continuarem assim, o esforço que estamos a fazer de reconciliação pode não resultar em nada para o povo”, referiu.

Dhlakama falava ao fazer uma avaliação da eleição municipal intercalar de Nampula, realizada em janeiro e que terá uma segunda volta entre os candidatos da Renamo e da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), considerando que as falhas detetadas refletem um mal nacional de partidarização dos órgãos de gestão eleitoral pela Frelimo.

A análise é feita a oito meses de se iniciar um novo ciclo eleitoral, com as autárquicas agendadas para 10 de outubro e eleições gerais a decorrerem em 2019 – sendo que o recenseamento eleitoral deverá arrancar daqui a três semanas, a 1 de março.

O líder da Renamo defende que o STAE se subordine à Comissão Nacional de Eleições, ao invés de trabalhar isolado.

“O problema é que temos dois órgãos independentes” e enquanto a Renamo está representada na CNE, no STAE só entra “no tempo eleitoral”.

Os outros membros do órgão “ficam cinco anos sozinhos a cozinhar fraude e tudo aquilo” a que Dhlakama chama de “confusão”, que diz ter sido visível na eleição em Nampula – em linha com as críticas tecidas por organizações da sociedade civil, nomeadamente quanto às falhas nos cadernos eleitorais.

O líder da Renamo disse à Lusa que o partido vai exigir que o STAE, a todos os níveis hierárquicos (central, provincial, distrital e de cidade) seja um corpo de “elementos técnicos recebendo ordens e subordinando-se” à CNE, para assim ser possível “controlar a situação”.

Dhlakama queixa-se do facto de, em Nampula, ter havido residentes que “perderam os cartões” de eleitor, porque eram os mesmos de 2014 “e as pessoas pensam que em cada eleição é preciso receber um novo cartão” – mas para a eleição intercalar não houve recenseamento.

“Muita gente já não tinha o cartão” e não foi facilitada a votação a quem, em alternativa, se identificava com o bilhete de identidade, como prevê a lei, referiu.

Noutros casos, houve “nomes trocados de propósito” nos cadernos, no que classifica como um conjunto de problemas detetados, sobretudo em bairros que costumam apoiar a Renamo, disse.

“Foi isto que aconteceu em Nampula” e que impediu que o principal partido da oposição vencesse na primeira volta, considerou Dhlakama, que quer ver os cadernos corrigidos para a segunda ronda – cuja data está ainda por anunciar.

O líder da Renamo quer também ver o partido a ter um papel ativo na fiscalização do próximo recenseamento eleitoral.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)