Rádio Observador

China

Fotogaleria. Os festejos do Ano Novo chinês à volta do mundo

167

Hoje comemora-se o primeiro dia do Ano Novo chinês. É o ano do Cão de Terra e as ruas enchem-se de tradição em várias partes do mundo para o celebrar. Percorra a fotogaleria para ver as fotos.

As ruas enchem-se de gente, o vermelho reflete-se em toda a parte, há fogo de artifício, foguetes, lanternas e os famosos dragões. Os mercados de flores ficam apinhados de famílias e os templos atraem milhares de pessoas. Acima de tudo, há um sentimento especial, afinal, hoje, dia 16, comemora-se o primeiro dia do Ano Novo chinês, conhecido também como Ano Novo Lunar ou Festa da Primavera.

Assinala-se o ano 4716 do calendário chinês, o ano do Cão de Terra, que termina a 5 de fevereiro de 2019. Os festejos iniciaram-se na véspera, com os mais simbólicos trajes coloridos, os desfiles e as chamadas danças de leão. As famílias reúnem-se numa festa única que dura duas semanas: aqueles que emigraram voltam ao país natal para celebrarem este período com os seus entes queridos. São muitas as tradições que se cumprem para alcançar um ano afortunado e cheio de sorte, de acordo com o South China Morning Post.

Mas afinal o que significa ser o ano Cão de Terra? Cada ano é representado por um dos 12 animais — Rato, Búfalo, Tigre, Coelho, Dragão, Serpente, Cavalo, Cabra, Macaco, Galo, Cão ou Javali — e, este ano, o Cão é acompanhado do elemento Terra, mas poderia ser também Cão Metal, Água, Madeira ou Fogo. Cada um tem as suas respetivas características.

No Oriente, o Cão é visto como um símbolo de lealdade e proteção, pelo que este ano será caracterizado por valores como a honestidade, a solidariedade e a procura da verdade e da justiça. O elemento Terra acaba por estar muito ligado àquilo que a terra tem para oferecer ao Ser Humano.

O zodíaco chinês é algo mítico e são muitas as lendas que o tentam explicar. A mais conhecida conta que o Imperador de Jade — que, de acordo com a mitologia chinesa, é o senhor dos céus — convidou o reino animal para participar numa corrida ao longo do rio, nas comemorações do seu aniversário, e prometeu que os 12 primeiros a chegar à meta ganhariam um lugar no calendário chinês. A ordem em que terminaram a corrida determina a sua posição no calendário chinês atual.

Conta-se que a forma como cada um atravessou o rio reflete o caráter de cada animal e, consequentemente das pessoas que nasceram sob o seu signo. Parece que o Cão não foi o mais bem dos sucedidos na corrida ao calendário: apesar das excelentes capacidades de natação, as brincadeiras durante a travessia ditaram o seu penúltimo lugar.

O Ano Novo chinês não se celebra apenas na China, outros países da Ásia, como Coreia, Japão, Vietname, Singapura, Malásia, Tailândia, Indonésia e Filipinas, também o celebram. A festa alarga-se ainda a vários pontos em redor do mundo: desde Nova Iorque a Londres, de Sydney ao México e até mesmo a Lisboa. Percorra a fotogaleria para ver a comemoração da Festa da Primavera nos vários pontos do mundo. Gong hei fat choy (de acordo com o Times é a forma mais comum de desejar um bom ano em chinês).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)