Rádio Observador

PSD

Rogério Alves ficou “perplexo” com o convite de Rui Rio a Elina Fraga

159

Ex-bastonário lembra críticas "ácidas" de Fraga ao Governo de Pedro Passos Coelho e considera que queixa contra membros do executivo foi "completamente despropositada".

RUI MINDERICO/LUSA

O ex-bastonário da Ordem dos Advogados Rogério Alves diz que ficou “perplexo” quando soube que Rui Rio tinha convidado Elina Fraga para a nova direção do PSD. Numa entrevista ao DN e à TSF, o advogado lembra as críticas, por vezes “ácidas” que a ex-bastonária dedicou ao Governo de Pedro Passos Coelho e considera que, se Fraga fosse a escolha de Rio para a pasta da Justiça (num hipotético Governo do PSD), teria dificuldade para encontrar “consensos” e até a “aprovação” do setor.

“Fiquei absolutamente perplexo com a escolha de Elina Fraga, não pela pessoa em si, mas porque sempre criticou a política de justiça do governo do PSD”, diz Rogério Alves. Na memória do ex-bastonário, estão ainda frescas as posições que a vice-presidente do PSD tomou ao longo de quatro anos. “Sempre criticou, às vezes de forma ácida, as políticas de Justiça do Governo PSD” e, por isso, “uma coisa que ficamos a saber é que a tal reforma da justiça (…) não será aquela que foi dirigida e efetuada no Governo de Passos Coelho”, diz Rogério Alves.

Na entrevista ao DN/TSF, o advogado aponta baterias a uma das medidas que marcaram o mandato da anterior bastonário: a participação criminal contra membros do Governo envolvidos na reforma do mapa judiciário. Uma decisão que foi, aos olhos de Rogério Alves, “completamente despropositada”. Critica também a “resistência a mudanças relevantes” nos códigos de Processo Penal e Processo Civil. “Há um caminho de modernização que tem de se encetado, há um caminho de simplificação que tem de ser encetado e eu vi sempre a ordem a reagir um pouco mal”.

Rogério Alves falou, também, sobre o inquérito em que Elina Fraga é visada pela forma como geriu a Ordem dos Advogados. O ex-bastonário admite que Fraga devia ter sido ouvida no âmbito da auditoria da Ordem — e que deu origem ao processo do Ministério Público — mas também diz que alguns dos pontos tornados públicos, como as “contratações efetuadas a colegas que faziam parte dos próprios corpos da ordem”, deviam ser “esclarecidos” por Elina Fraga.

“São procedimentos de escolha de prestadores de serviços — penso que será disso que estamos a falar — e desconheço em absoluto se houve violação das suas regras. O que sabemos é que houve escolhas, e em vez de estarmos sempre a olhar para as regras podemos olhar para as escolhas e dizer: “Bom, fiz uma escolha política.” Às vezes, as pessoas têm de fazer escolhas políticas. Posso escolher A, B ou C”, considera Rogério Alves.

Questionado sobre que mudanças poderiam ser introduzidas na justiça, o advogado aponta aos “megaprocessos” — dizendo que a “justiça tem de pensar em objetivos específicos para programas específicos” —, diz que o “grande desafio é simplificar” (ainda que já se tenha começado um caminho com a introdução do Citius e com a entrega digital de peças processuais) e que os magistrados devem ter em conta o “sentido da oportunidade” na gestão que fazem dos processos. “Temos de selecionar dentro de condutas que nos parecem ser criminosas aquelas que são efetivamente mais graves e mais lesivas”, propõe o ex-bastonário.

Sobre o Sporting, o seu clube, Rogério Alves aconselha os dirigentes a “serenar, acalmar e concentrar-se nos seus grandes objetivos: ganhar as competições futebolísticas (nas outras modalidades está a sair-se muitíssimo bem)”.

Diz que “há muitas coisas” com as quais não concorda na gestão de Bruno de Carvalho e deixa uma crítica ao presidente: “Não concordo que as assembleias gerais se transformem em pelourinho para atacar sportinguistas nem com julgamentos feitos na SportingTV a partir de listas de muito mau gosto.” Mas também deixa uma garantia: “Não sou candidato a coisa nenhuma.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)