Estão fora de questão aumentos salariais na Função Pública em 2019. Um membro do Governo diz ao Público que o próximo Orçamento será de “contenção” e que “não haverá mais dinheiro” para aceder às pretensões dos parceiros de esquerda e dos sindicatos.

Os funcionários públicos só terão, em 2019, direito à “concretização da fase seguinte do descongelamento das carreiras”, explicou o governante ao Público. Além disso, serão feitas as “fases seguintes das reformas antecipadas sem penalização para as longas carreiras contributivas sem penalizações”.

A prioridade irá para “o investimento público” e para “a manutenção e requalificação de infraestruturas que estão em situação de desgaste crítico”, como é o caso dos caminhos-de-ferro e da ponte 25 de Abril.

Além de dar prioridade ao investimento em infraestruturas, num ano que continuará a ser de contenção, o governante que falou com o jornal lembrou que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou para o risco de eleitoralismo num ano em que se realizam eleições europeias e legislativas. “A memória de 2009 impede-o. José Sócrates aumentou função pública em ano eleitoral e em plena crise. Além de que seria visto como puro eleitoralismo”, nota o governante.

Galamba: “Dificilmente haverá aumentos na função pública em 2019”