Vistos Gold

Associação Transparência e Integridade quer suspensão imediata dos Vistos Gold

A Associação Transparência e Integridade quer suspender o programa dos Vistos Gold, uma vez que se corre o "risco de estar a abrir as fronteiras do espaço Schengen ao crime organizado".

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A associação Transparência e Integridade defendeu esta sexta-feira a suspensão imediata do programa vistos gold, tendo em conta o risco de facilitar o branqueamento de capitais e de abrir as fronteiras do espaço Schengen ao crime organizado.

Num encontro com jornalistas, em Lisboa, a Transparência e Integridade Portugal, rede global de organizações não governamentais anticorrupção presente em mais de 100 países, denunciou aquilo que considera os riscos mais evidentes das autorizações de residência para atividade de investimento, conhecidas por vistos gold, designadamente branqueamento de capitais, financiamento de crime organizado ou terrorismo e fuga aos impostos.

“Corremos o risco de estar a abrir as fronteiras do espaço Schengen ao crime organizado”, referiu ainda a associação cívica, citando recentes investigações.

A Transparência e Integridade pediu, em fevereiro, informação detalhada sobre os vistos gold e sobre o seu impacto económico ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, ao Ministério da Economia e ao gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

No entanto, e segundo documentação divulgada no encontro, o SEF não respondeu, o Ministério da Economia remeteu todas as questões para o Ministério da Administração Interna e o gabinete do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais indicou que a informação não está organizada em arquivo pela administração central.

O presidente da associação, João Paulo Batalha, considerou estranha a resposta do Governo, sublinhando que é importante existir “uma discussão pública” sobre os vistos gold.

João Paulo Batalha lembrou que esta autorização de residência foi criada em 2012, “no pico da crise”, referindo que o investimento no imobiliário é “uma forma de resgate indireto aos bancos”, uma vez que a maioria dos vistos gold serve para aquisição de casas.

“O imobiliário é uma das maiores fontes de risco de branqueamento de capitais porque permite branquear, de uma só vez, quantidades enormes de dinheiro”, disse a vice-presidente da Transparência e Integridade, Susana Corado.

Dados do SEF indicam que entre outubro de 2012 e fevereiro de 2018 foram atribuídos 5.876 vistos gold, 5.553 dos quais por via do requisito da aquisição de imóveis, 314 através do requisito da transferência de capital e nove através da criação de emprego de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

Com um investimento gerado de cerca de 3,6 mil milhões de euros desde a sua criação, as principais nacionalidades que têm recebido estes vistos são a chinesa (3.709), seguida da brasileira (507), sul-africana (234), russa (206) e turca (158).

Susana Corado sublinhou que estes são “países de risco” e onde têm origem “vários fluxos financeiros ilícitos que circulam pelo mundo”, além de registarem “pouca cooperação judicial”.

Além da suspensão imediata do programa de autorização de residência para a atividade de investimento, a Transparência e Integridade pede também que seja disponibilizada toda a informação sobre o mecanismo e aumente a investigação sobre o branqueamento de capitais.

Em caso de continuidade do programa, a associação defende que seja criado um plano de prevenção de risco de corrupção, um manual de procedimentos e um mecanismo de fiscalização.

No encontro, em que esteve presente a eurodeputada socialista Ana Gomes, a Transparência e Integridade recomendou ainda um reforço da informação recolhida e publicamente disponibilizada sobre os beneficiários de vistos gold e a realização de avaliações independentes aos imóveis para concessão de vistos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
História

In memoriam de Franco Nogueira /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

“Um homem livre, recto e determinado que lutou, com paixão, pelas suas convicções e pelas suas ideias, (…) para recuperar o espírito que fez a grandeza de Portugal”.

Justiça

Extinguir o Tribunal Central de Instrução Criminal

João Miguel Barros

Escrever que a extinção do TCIC dá um sinal errado à opinião pública porque este foi o “tribunal que mandou prender Sócrates” é não compreender a essência do que é um Tribunal de Instrução Criminal.

Lisboa

Portagens e transporte público

Luís Campos e Cunha

Tal como em outras cidades, deveria existir uma portagem a todos os carros que entram em Lisboa. Se vêm de Sintra ou da Amadora, não importa, são viaturas que utilizam os equipamentos da cidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)